22°
Máx
14°
Min

Outono versão SP é quente e seco; umidade do ar pode baixar a 21%

Calor de verão, com secura de inverno, no início do outono. É o que vive São Paulo nos últimos dias - e a situação não deve mudar até pelo menos o feriado de Tiradentes, no dia 21, quando uma frente fria pode alterar o cenário de abril.

A umidade na capital paulista, que caiu para 35% às 16 horas de ontem, deve ficar ainda mais baixa. Hoje e amanhã, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), a máxima pode chegar a 32ºC e os menores índices de ar ficam próximos dos 32%, sem perspectiva de chuva. Segundo a empresa Climatempo, para sábado e domingo se prevê máxima de 33ºC e umidade abaixo de 30%, o que colocará toda a cidade em estado de atenção.

Para Aline Tochio, meteorologista da Climatempo, uma frente fria em alto mar deve ir embora e ampliar a secura. "No fim de semana, o ar seco ganha mais força não só na capital, mas em todo o Estado." De acordo com a especialista, a temperatura de abril está acima do normal para o período. "Não teve nenhum dia neste mês com temperatura abaixo de 29ºC. Por enquanto, a temperatura média está em 30,6ºC. Mas a média histórica de abril é de 25ºC", afirma.

Já em relação à chuva, o índice caiu neste mês na comparação com o mesmo período de anos anteriores - que foram de crise hídrica. A média de chuvas para o mês no Município é de aproximadamente 76 milímetros, mas a estação da Climatempo no Mirante de Santana, na zona norte, não registrou nenhum milímetro sequer de precipitação em abril.

Saúde

A Climatempo destaca que, com a possibilidade de a umidade baixar para até 21% nesta semana, aliada ao ar empoeirado, quem tem problemas respiratórios deve sentir ainda mais desconforto. Com o tempo seco, exercícios ao ar livre entre 11 e 18 horas devem ser evitados.

Na Avenida Sumaré, na zona oeste da capital, corredores assíduos já sentiram o impacto da baixa umidade. Ontem, após correr por uma hora, a advogada Talita Meirelles, de 28 anos, que costuma se exercitar três vezes por semana na ciclovia, percebeu a garganta mais ressecada. "Senti bastante a diferença nos últimos dias. Aliás, tenho bebido muito mais água do que o normal." Talita também tem evitado correr no horário de pico da tarde, depois das 18 horas, por causa da poluição que se acumula com o congestionamento de veículos.

A poluição combinada ao ar seco tem incomodado da mesma maneira a psicóloga Jussara Brisolla, de 36 anos, que passou a evitar os exercícios no fim do dia e pode até suspendê-los. "Ando percebendo que está um verão fora de época e tenho sentido a garganta e o nariz secos."

Outra que está preocupada é a radialista Vitória Cordiolli, de 23 anos, que vem sentindo dificuldade para respirar. "Corria mais rápido e por 40 minutos normalmente. Agora, diminuí para meia hora porque o ar está vindo menos", explica.

Além de beber bastante água, Vitória também tem investido nos sucos. Já o contador Kelson Thales Prates, de 33 anos, passou a hidratar-se com mais chá gelado, além de água. Natural de Fortaleza e morador de São Paulo há quatro anos, não se acostumou com o tempo imprevisível da capital. "O quente daqui é diferente de Fortaleza. Lá também faz 33ºC, mas tem a maresia, que quebra o calor."

H1N1

Na avaliação do professor de Pneumologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Igor Polônio, em tempos de clima seco deve-se evitar exercícios em locais poluídos, como a Sumaré. "A pessoa está inalando fumaça de automóvel. Eu mesmo já corri lá uma vez e, no dia seguinte, estava com tosse. É preferível escolher um local arborizado", indica.

Segundo Polônio, a população deve dobrar o consumo de água neste período para evitar complicações respiratórias. Com umidade baixa, o nariz fica mais seco e os olhos, irritados. Além disso, é preciso ter cuidado com a manutenção de aparelhos de ar-condicionado em ambientes de trabalho, no carro e dentro de casa. "O filtro tem de estar limpo porque, sem manutenção, vai ser fonte de transmissão de doença."

O pneumologista afirma ainda que o momento é propício a episódios de tosse, gripe, pneumonia e resfriados. Por isso, portadores de doenças crônicas, principalmente as respiratórias, como asma e bronquite, devem intensificar os cuidados. "As pessoas que puderem tomar vacina, principalmente contra o H1N1, é recomendável."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.