24°
Máx
17°
Min

Parentes e vizinhos de acusado de estupro coletivo fazem protesto no Rio

Parentes e vizinhos de Raí de Souza, de 22 anos - um dos seis homens acusados de participar do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro, e de divulgar imagens dela nua em redes sociais -, fazem nesta segunda-feira, 30, um protesto na Praça Seca, perto do local do crime, em defesa dele.

Com cartazes com frases como "Não houve estupro" e "Estupro ou orgia?", eles sustentam que Souza teve relação sexual com a menina com o consentimento dela.

"Ela está acostumada a fazer bacanal. É uma doente. Todo mundo no morro a conhece desde criança, sempre foi assim", disse Neide Souza, de 52 anos, mãe do acusado.

A manifestação contou com o apoio de cerca de 30 pessoas.

"Eles dois saíram do baile funk juntos de madrugada e foram transar. Ele saiu de lá depois, normalmente. Nada aconteceu como ela falou. Toda comunidade tem sua regra. Estupro é proibido", afirmou Surian Souza, irmã de Rai.

Souza é lutador e professor de muay thai e foi defendido também por amigos. Ele aparece sorrindo nas imagens feitas pela imprensa na saída do depoimento que ele prestou à polícia, o que gerou revolta nas redes sociais, pois seria um deboche da situação. Amigos justificaram o gesto dizendo que significava a certeza de sua inocência.

O caso veio à tona na terça-feira passada, 24, e aconteceu no Morro São José Operário, próximo à Praça Seca. A polícia fez nesta segunda-feira operação no local e em outras favelas da região em busca dos acusados. Souza já está indo se entregar à polícia, garantiu a mãe.