22°
Máx
16°
Min

Parte do teto do setor oeste do Itaquerão desaba; incidente não deixa feridos

(Foto: Divulgação)  - Parte do teto do setor oeste do Itaquerão desaba; incidente não deixa feridos
(Foto: Divulgação)

Parte do teto no nível 5 do setor oeste da Arena Corinthians caiu na última quinta-feira. O local do acidente serve de acesso aos torcedores para o setor vip. A informação foi confirmada pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo nesta terça. No momento da queda, não havia nenhuma pessoa no local e, segundo o clube, não houve feridos.

O Corinthians ainda está tentando identificar o que ocorreu no local, mas a queda de uma imensa placa de gesso e madeira causou muita surpresa. No clube, tratam o problema como um caso isolado, que não tem relação com os problemas de infiltração que têm acontecido no estádio, principalmente nos banheiros e lanchonetes.

Por ser uma arena nova, não é comum que problemas deste tipo aconteçam. O clube pensa em acionar um perito para detectar qual foi a causa da queda do teto e a própria Odebrecht, que construiu o estádio, admite que o reparo já está sendo feito e que será concluído em duas semanas. A nova estrutura será reforçada para que novos casos como esse não ocorram no futuro.

Segundo a assessoria de imprensa do Corinthians, o setor não precisará ser interditado e receberá torcedores normalmente no próximo jogo da equipe no local, sábado, às 21 horas, contra Oeste, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Para esse jogo, não há mais ingressos para os setores mais baratos do estádio: norte, sul e leste inferior. As vendas para o setor oeste, local do acidente, continuam abertas. A previsão é de público superior a 25 mil pessoas no sábado.

Palco da abertura da Copa do Mundo, o Itaquerão foi inaugurado em maio de 2014. Em setembro do ano passado, a construtora Odebrecht anunciou que as suas atividades no local estavam encerradas e retirou os seus operários do estádio. Para o Corinthians, porém, a obra ainda não estava totalmente concluída. O Itaquerão custou R$ 1,1 bilhão.