23°
Máx
12°
Min

Polícia faz ação contra grupos racistas que agem nas redes sociais

A Polícia Civil do Rio deflagrou nesta quarta-feira, 16, uma operação em seis Estados para prender acusados de ataques racistas à atriz Taís Araújo na internet. Policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) fluminense cumprem quatro mandados de prisão e 11 de busca e apreensão com apoio da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e das Polícias Civis dos Estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Minas Gerais.

Segundo nota da Polícia Civil do Rio, durante as investigações os policiais descobriram que o grupo que insultou a atriz foi criado com o objetivo de praticar ataques racistas em perfis de redes de relacionamento, páginas e contatos do aplicativo WhatsApp. O bando, de acordo com a polícia, incitava os ataques, criando grupos secretos e temporários na web. Também ensinavam maneiras de mascarar as conexões que usavam, para dificultar o rastreamento dos autores.

Taís teve o seu perfil no Facebook atacado na noite de 31 de outubro do ano passado. Ela reagiu e anunciou que levaria o caso à polícia. Na rede social, escreveu: "É muito chato, em 2015, ainda ter que falar sobre isso, mas não podemos nos calar. Na última noite, recebi uma série de ataques racistas na minha página. Absolutamente tudo está registrado e será enviado à Polícia Federal. Eu não vou apagar nenhum desses comentários. Faço questão que todos sintam o mesmo que eu senti: a vergonha de ainda ter gente covarde e pequena neste país, além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça".

Em solidariedade, espalhou-se na web a hashtag #SomosTodosTaísAraújo. Em julho do ano passado, a jornalista Maria Júlia Coutinho, da Rede Globo, também foi alvo de insultos racistas na internet.