22°
Máx
14°
Min

Prefeitura de SP estuda câmeras em cemitério

Em meio a reclamações de furtos e um inquérito instaurado no Ministério Público Estadual (MPE), a Prefeitura de São Paulo estuda a instalação de câmeras de segurança dentro do Cemitério da Consolação. O Serviço Funerário informou, por meio de nota oficial, que está sendo feito um mapeamento dos pontos vulneráveis do local. Também está prevista a instalação de uma central de monitoramento, que deve ter uma equipe do setor de fiscalização da pasta e guardas-civis metropolitanos (GCM).

Houve denúncia de violação de túmulos por parte do Movimento de Defesa do Cemitério da Consolação (MDCC) e do vereador Nelo Rodolfo (PMDB). Um inquérito foi instaurado na terça-feira. Um jardineiro autônomo teria encontrado restos mortais em uma caixa com a inscrição "Monteiro Lobato" há três meses. O material, que também foi citado como um "saco de cinzas jogado em uma viela", segundo o que foi relatado à Promotoria, acabou recolhido pela Guarda Civil Metropolitana (GCM). O Serviço Funerário nega qualquer violação de túmulo (mais informações ao lado).

Além desse caso, o MPE vai investigar queixas constantes de furtos de portas de bronze e de objetos externos dos túmulos, além da suposta má administração do crematório da Vila Alpina e de outros cemitérios. Uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou na quarta-feira que a Prefeitura cortou, em 2016, praticamente metade dos gastos com manutenção e limpeza dos cemitérios - o orçamento caiu de R$ 25,7 milhões, em 2015, para 14,8 milhões em 2016.

Em entrevista à Rádio Estadão, a superintendente do Serviço Funerário, Lúcia Salles, disse que a queda não causou impacto no serviço de limpeza dos cemitérios. Também disse que a GCM faz patrulhas 24 horas no Cemitério da Consolação contra furto.

Hoje, segundo o governo municipal, já existem duas câmeras em funcionamento no entorno do espaço público, instaladas entre as Ruas Mato Grosso, Sergipe e José Eusébio. A instalação de câmeras é demanda antiga de entidades defensoras do cemitério, segundo a presidente do Conselho de Segurança da Consolação, Marta Lilia Porta. "Nunca teve câmera no cemitério. Chegamos a oferecer, mas a administração não considerou a proposta."

O presidente do Movimento de Defesa do Cemitério da Consolação, Francisco Gomes Machado, reclama da falta de segurança. "O cemitério é a imagem do descaso, do abandono e da falta de interesse em manter patrimônios históricos e culturais da cidade."

Neto

A família de Monteiro Lobato classificou a violação do túmulo do escritor como um "desrespeito". E disse que não sabia da denúncia apurada pelo Ministério Público Estadual (MPE) de que os restos mortais dele teriam sido achados do lado de fora do jazigo.

"Tivemos notícias de roubos da parte do bronze, mas de violação nunca soube de nada. Não sei como não existe uma prevenção para isso. É desagradabilíssimo", afirma o neto do escritor, o comerciante de arte Rodrigo Monteiro Lobato, de 78 anos.

Ele diz que a família costuma visitar o túmulo, que fica no Cemitério da Consolação, na região central, no Dia de Finados. Mas pretende ir ao local já na próxima semana.

"Vou passar no cemitério para ver em que pé estão as coisas. Isso é um desrespeito fantástico com um personagem tão importante", lamenta Rodrigo. Ele, que conviveu pouco com o avô, afirma que não há nada de valor dentro do túmulo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.