23°
Máx
12°
Min

Prisões em unidades do Poupatempo superam capturas por equipes de DPs

Criado para dar agilidade a serviços prestados à população, o Poupatempo tornou-se uma "armadilha" para foragidos da Justiça. O número de pessoas detidas ao tentar obter um documento chega até a superar as prisões por mandados feitas por delegacias de São Paulo. Para especialistas, as ocorrências acabam inflando as estatísticas de produtividade dos DPs e revelam a "passividade" da Polícia Civil.

Há seis postos do Poupatempo na capital, o maior deles na Sé, no centro. Segundo policiais civis, pelos menos 15 foragidos são capturados por mês em cada unidade e levados para o DP da região, responsável por fazer o registro. Por outro lado, apenas 16 das 87 delegacias que não ficam em área de Poupatempo, ou 18,4%, registram média mensal de prisão por mandado igual ou superior a essa, conforme dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) deste ano.

Entre janeiro e agosto, as delegacias da cidade registraram 7.375 prisões por mandados, mas só parte resulta do trabalho específico desses distritos. Isso porque, além das prisões no Poupatempo, eles também "herdam" capturas feitas pela PM - que representam cerca de 40% dos registros.

No caso do Poupatempo, os foragidos da Justiça são descobertos por equipes do Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt (IIRGD), da Polícia Civil. O órgão confere dados de pessoas que utilizam serviços dos postos e cruzam informações com bancos nacionais de procurados. Os policiais também fazem análise biométrica, o que permite identificar documentos falsos com base nas digitais do portador.

O mandado de prisão é decretado pela Justiça e pode ser civil ou criminal. "Há muitos casos de autores de crimes contra o patrimônio que vão emitir um documento e acabam presos. Mas a maior parte é por dívida de pensão alimentícia", afirma o delegado José Luiz Ruas de Abreu, titular do 65.º DP (Artur Alvim), que registra ocorrências do Poupatempo Itaquera, na zona leste. O posto é responsável pela maior parte dos 228 mandados de prisão deste ano.

Não raro, os capturados foram condenados em tribunais de outros Estados brasileiros e fugiram para São Paulo. Mas também há ocorrências locais. No dia 13 de setembro, uma mulher foi presa no Poupatempo Santo Amaro, na zona sul, por um homicídio cometido em 1995. Ela foi julgada pela 3.ª Vara do Júri de São Paulo, mas estava foragida desde 1998.

Só de junho a agosto, o 11.º DP (Santo Amaro) registrou 87 capturas feitas no Poupatempo - quase uma por dia. No mesmo período, a delegacia conseguiu prender outras cinco pessoas após investigações. "Às vezes, a pessoa acredita que a pena está prescrita. Em outros casos, ela desconhece a decisão da Justiça", diz a delegada assistente Luciara de Cássia Conceição. O delegado Marcel Druziani, titular do 7.º DP (Lapa), na zona oeste, afirma que bandidos mais perigosos são minoria entre os capturados no Poupatempo. "Normalmente, é trabalhador que nem sabe que está devendo."

Passiva

"As delegacias estão muito imobilizadas, com escala de trabalho de 12 horas e folga de 72 horas. Na prática, trabalham um dia por semana e não conseguem investigar", diz o coronel José Vicente Filho, especialista em segurança pública. "A burocracia de balcão está substituindo a polícia."

Segundo o especialista, essas capturas terminam "inflando" o rendimento dos DPs. "A prisão de criminosos ocorre estatisticamente, mas não policialmente", afirma.

A opinião é compartilhada pelo cientista político Guaracy Mingardi. "Pode até ter havido investigação anterior para se obter o mandado, mas não redundou na prisão", diz. "A grande questão é que não houve investigação para localizar o criminoso. Isso mostra que a Polícia Civil está esperando chegar."

Para secretaria, não é possível fazer a comparação

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) afirma que "não cabe a comparação" entre as prisões feitas em unidades do Poupatempo pelo IIRG e o número de mandados cumpridos após investigações de delegacias de São Paulo. Nos dois casos, as prisões são fruto do trabalho da Polícia Civil, diz a pasta. A SSP destaca que as delegacias precisariam apurar o crime antes de conseguir prender o responsável. "(É) consequência de inúmeras diligências e oitivas até o resultado final de esclarecimento que culmina na decretação da prisão do(s) autor(es)", afirma, em nota.

A SSP ressalta ainda que as capturas resultam de um trabalho integrado das polícias. "Tais pessoas são presas tanto pelas equipes policiais civis como em abordagens policiais militares." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.