22°
Máx
16°
Min

Professores da rede estadual de SP decidem adiar greve

Os professores da rede estadual de São Paulo, que já haviam decretado estado de greve no último dia 8, decidiram adiar o início da paralisação. Em assembleia realizada nesta sexta-feira, 29, pela Apeoesp, principal sindicato da categoria, eles decidiram esperar até o próximo dia 24 para definir o início da greve.

Segundo Maria Izabel Noronha, presidente do sindicato, os professores querem esperar por uma reunião com o secretário da educação, José Renato Nalini, marcada para o dia 23. Neste encontro, Nalini deve apresentar uma proposta de reajuste.

"Os professores enfrentaram no ano passado uma greve muito longa (90 dias de paralisação, que foi a maior greve da história) e agora querem esperar para iniciar a greve em um momento certo. Mas a mobilização é grande", disse Maria Izabel.

A categoria está sem reajuste salarial desde junho de 2014. Eles pedem a reposição salarial do período, de 16,6%, e valorização salarial. No ano passado, os professores fizeram a maior greve da história, com paralisação de 90 dias e, mesmo assim, ficaram sem reajuste.

Nalini, no entanto, já afirmou diversas vezes que, por causa da crise financeira, o Estado de São Paulo não teria condições de dar aumento à categoria.

Protesto

Os professores, que se reuniram por volta das 15h no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, decidiram seguir em passeata para a sede do Centro Paula Souza, na Luz, que foi ocupada por estudantes nesta quinta-feira, 28.

"Estudantes e professores estão juntos na luta contra a precarização da educação", disse a presidente. De acordo com Maria Izabel, cerca de 3 mil professores participaram da assembleia desta sexta-feira. No entanto, o ato foi menor do que o anterior, quando houve uma confusão com estudantes da rede estadual.