24°
Máx
17°
Min

Revólver apreendido após morte de menino foi retirado do local

O revólver calibre 38 que, segundo policiais militares, foi usado pelo menino de 10 anos durante uma troca de tiros, foi retirada do local do crime e somente apresentado no Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). O procedimento contraria uma regra básica da polícia de preservar o local de um crime. O motivo é alvo de investigações.

O menino e o amigo de 11 anos furtaram um carro de um condomínio, na Vila Andrade, na zona sul, na noite de quinta-feira passada. Segundo a PM, o garoto de 10 dirigia e atirava contra os policiais. Depois que o veículo bateu em outros dois e parou, o menino teria atirado mais uma vez e acabou morto com um tiro na cabeça. Inicialmente, o garoto sobrevivente confirmou a versão. Depois, negou.

Outro fator que chama a atenção do DHPP é que o exame residuográfico detectou chumbo nas mãos do menino de 10 anos na forma de "explosão", o que, em tese, significa que ele atirou segurando o revólver com as duas mãos. Porém, o mesmo exame não encontrou vestígios na luva que ele usava na mão direita. Os policiais estudam a possibilidade de pedir novos laudos.

O garoto de 11 anos deu três versões para o caso. A primeira foi gravada em vídeo pelos PMs logo depois do fato. Nela, ele confirma a versão oficial de que o amigo morreu depois de trocar tiros com a PM.

Na segunda versão, ele afirmou que, quando o carro bateu e parou, seu amigo não atirou mais, mas um PM se aproximou do vidro e matou o seu amigo. Afirmou também que, após sair do carro, foi dominado no chão, levou um tapa e sofreu ameaça.

No último depoimento, na Corregedoria da PM, ele afirmou que ninguém estava armado e não houve tiroteio. A arma, segundo o menino, teria sido "plantada" pelos policiais.