22°
Máx
14°
Min

Rodovia no litoral é recordista em multas em SP, com 35 mil por mês

- Rodovia no litoral é recordista em multas em SP, com 35 mil por mês

A rodovia que percorre praticamente todo o litoral paulista é a campeã no número de multas por excesso de velocidade. Dados do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), do primeiro semestre, mostram que a SP-55 registrou, em média, 35.765 infrações por mês, quase 10% da média (369.732) de flagrantes feitos nas 110 estradas estaduais com radares.

A SP-55 é formada pelas Rodovias Padre Manoel da Nóbrega, Cônego Domenico Rangoni e Doutor Manoel Hipólito Rego. Com 336 km de extensão, liga as cidades de Miracatu, no Vale do Ribeira, e Peruíbe, no litoral sul, a Ubatuba, no litoral norte, e é administrada pelo próprio DER em seu maior trecho (87%), e pela concessionária Ecovias. Também é a rodovia mais vigiada de São Paulo, com 115 radares fixos, além dos aparelhos móveis usados pela Polícia Militar Rodoviária.

Moradores do litoral sul, que é cortado pela Padre Manuel da Nóbrega, defendem a fiscalização eletrônica de velocidade como forma de reduzir os acidentes de trânsito, principalmente nos trechos urbanos das estradas, mas acreditam haver excesso no número de radares ao longo da SP-55, que multa, em média, 50 veículos por hora. Cerca de 85% dos flagrantes são de motoristas que excedem o limite em até 20% - infração média -, que rende multa de R$ 85,13 e 4 pontos na carteira nacional de habilitação (CNH).

Foi o caso do instalador de TV a cabo Flávio Serra Júnior, de 63 anos, há cerca de um mês. "Pego a rodovia todos os dias e já decorei onde ficam os radares. Mas um dia desses tinha um radar móvel bem escondido. Eu estava com um pouco de pressa e acabei levando uma multa", conta. Ele percorre a Padre Manoel todos os dias no trajeto entre sua casa, em Itanhaém, até o trabalho, em Praia Grande.

A localização quase oculta dos radares, como debaixo de passarelas, e as variações do limite máximo de velocidade ao longo da estrada, de 60 km/h a 110 km/h, também são apontadas como possíveis causas para o alto número de infrações. "A crítica é quanto à colocação maliciosa, mas acho que eles são necessários. Quando não tinha radar, o número de atropelamentos aqui era um absurdo", conta o tradutor Richard Okrongli, de 42 anos, que prefere que sua mulher dirija na estrada para evitar multas. "Eu sou mais 'pé de chumbo'."

Segundo o DER, os equipamentos são posicionados em locais que permitam a fiscalização do excesso de velocidade, mas protegidos de vandalismo e depredação. O órgão afirma que uma análise feita entre 2015 e 2016 sobre o comportamento dos motoristas em trechos críticos de acidentes, após a colocação de radares, constatou uma redução de 28,1% nos acidentes com vítimas e queda de 24,5% no número de mortes. Somente nos 44 quilômetros da SP-55 que estão sob concessão, na região de Santos, Praia Grande e Guarujá, a redução foi de 13,7% no número de acidentes e de 36,4% no de vítimas entre 2014 e 2015.

O número de multas aplicadas na SP-55 é quase 20% maior do que a média da segunda rodovia que mais registra infração de velocidade no Estado, a Anhanguera (SP-330), que tem 30.108 flagrantes. Além de ser mais curta do que a rodovia que liga a capital ao extremo norte do Estado, a SP-55 tem um fluxo menor, com cerca de 2 milhões de veículos a menos por mês.

"Não sei explicar por que as rodovias litorâneas têm mais infrações, mas, sem dúvida, as ações de fiscalização de excesso de velocidade contribuíram muito para a redução de acidentes e de mortes na região", afirma o capitão Jeferson Cansian, da Polícia Militar Rodoviária de São Paulo, que usa 105 radares móveis para flagrar desrespeito aos limites de velocidade.

Velocidade média

Já Eduardo Biavati, especialista em segurança no trânsito, defende o uso de radares que calculam a média da velocidade dos veículos ao longo da estrada, como é feito na Europa, e diz que o objetivo não deve ser aumentar o número de infrações. "Se as multas estão crescendo é preciso adotar outra ações, como campanhas educativas." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.