22°
Máx
17°
Min

Russomanno quer participação popular para resolver problemas da cidade

Em seu último dia de campanha antes do primeiro turno, o candidato do PRB à prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, ressaltou a importância da participação popular na resolução dos problemas da cidade. Antes de iniciar uma carreata pelo bairro de Santo Amaro, Russomanno falou sobre sua proposta de criar aplicativos para que os cidadãos fiscalizem e denunciem irregularidades diretamente para a prefeitura.

"As pessoas vão, através dos aplicativos, fazer as denúncias. As empresas prestadoras de serviços precisam ser fiscalizadas e cobradas. E vou pedir à população para cobrar", disse. Segundo Russomanno, por meio de um aplicativo baixado no celular, o cidadão poderá fotografar e denunciar a irregularidade à prefeitura. "Se continuar da mesma forma, a empresa pode até ser descredenciada", disse.

Segundo o candidato, sem a participação popular, a prefeitura não consegue fazer o trabalho de fiscalização com eficiência. "Sem a parceria com o cidadão, com a sociedade civil organizada, com associações comunitárias e de bairro fica muito difícil fiscalizar. o poder público não tem essa estrutura. Mas quando você chama as pessoas, mostra que se ela fizer a reclamação vai de fato funcionar, aí todo mundo vai fazer melhor".

No breve balanço que fez da campanha, Russomanno disse que este ano está mais experiente em comparação com 2012 e lamentou ter deixado de se aprofundar sobre alguns assuntos. Ele citou como exemplo a proposta de restabelecer a Romu (Rondas Ostensivas Municipais), com viaturas com quatro guardas municipais para fazer policiamento ostensivo.

O candidato do PRB reclamou também dos ataques dos adversários dos quais foi alvo durante a campanha. "Quando você tem uma vida regrada, você fica chateado quando os ataques são pessoais. Mas estamos aí para tocar a campanha".

Além de Santo Amaro, na zona Sul, Russomanno deve percorrer as ruas do bairro de Cangaíba, na zona leste.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.