24°
Máx
17°
Min

Secretário põe ruralista em órgão ambiental

A Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo mudou a composição da Câmara de Compensação Ambiental (CCA), responsável pela gestão e destinação de milhões de reais pagos por empreendimentos para compensar o impacto ambiental de suas construções.

Chama atenção a troca dos dois representantes da sociedade civil. O biólogo Ricardo Rodrigues, da Universidade de São Paulo (USP), e Ana Luisa da Riva, ex-diretora executiva do Instituto Semeia, foram substituídos pelo agrônomo Evaristo de Miranda, da Embrapa, e pelo advogado Francisco de Godoy Bueno, vice-presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), especialista em direito do agronegócio e amigo pessoal do secretário de Meio Ambiente, Ricardo Salles, responsável por nomear os membros da CCA.

Bueno é membro do Movimento Endireita Brasil, fundado por Salles, que foi diretor jurídico da SRB. "É uma pessoa supercorreta e de extrema confiança", justificou o secretário ao Estado. "Somos amigos, não tem problema nenhum."

As nomeações foram publicadas no Diário Oficial do Estado em 1.º de outubro. Seis dos oito integrantes da CCA foram substituídos. O novo grupo será responsável por gerir um montante de cerca de R$ 250 milhões, que devem ser investidos obrigatoriamente em unidades de conservação do Estado.

Para Salles, a ligação de Bueno com o agronegócio não cria um conflito de interesse. "Acho que nada melhor do que quem conhece o assunto para identificar quais são as medidas eficazes para reparação de questões ambientais", disse. "Melhor ter alguém que dá uma solução real do que um grupo que se julga acima do bem e do mal e coloca soluções filosóficas que só ficam de pé em laboratório."

Evaristo de Miranda também é ligado ao setor agrícola. Agrônomo, com mestrado e doutorado em ecologia, foi figura polêmica nas discussões do novo Código Florestal no Congresso, por apresentar estudos próprios que favoreciam os interesses da bancada ruralista e contrariavam o que a maior parte da comunidade científica defendia. É chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite. "É o maior especialista em pesquisa aplicada no campo no Brasil", justifica Salles.

Salles, que é filiado ao PP, assumiu a secretaria em julho, sem ter ligação prévia com a área ambiental. Foi secretário particular do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e sua indicação ligaria o partido à candidatura do prefeito eleito João Doria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.