24°
Máx
17°
Min

SP debaterá reforma do ensino médio nas escolas

Após estudantes invadirem duas escolas estaduais em São Paulo contra a medida provisória que reforma o ensino médio no País, proposta pelo governo Michel Temer, a Secretaria Estadual da Educação (SEE) anunciou que vai promover um "amplo debate" com alunos e professores. Com isso, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) pretende evitar que novas ocupações aconteçam pelo Estado.

Os estudantes invadiram um colégio em Sorocaba, na quinta-feira, e a escola estadual Caetano de Campos, na região central da capital, na noite de sexta - menos de 24 horas depois, a unidade foi desocupada após a chegada da Tropa de Choque. Os alunos afirmam que fazem encontros e assembleias nas instituições para discutir a possibilidade de novas ocupações nos próximos dias.

Wilson Levy, assessor do secretário da Educação José Renato Nalini, e coordenador do projeto Gestão Democrática, disse que a expectativa da secretaria é evitar novas invasões usando o diálogo. "A sinalização do poder público é de que vamos discutir, tudo será transparente e com a participação do estudante", afirmou.

Mudança

A reforma do ensino médio prevê a flexibilização do currículo, com disciplinas optativas. Uma das principais polêmicas da medida foi a retirada da exigência de Artes e Educação Física. No entanto, o governo disse que elas serão contempladas. A decisão da gestão Temer de promover as mudanças por meio de medida provisória também é alvo de críticas.

Para o governo do Estado, "pesa contra o modelo atual a pouca flexibilidade do currículo e a fraca conexão entre o que o estudante aprende e seu projeto de vida". No entanto, a secretaria afirmou que "nada será mudado" antes do debate.

Levy explicou que a discussão com os alunos será feita primeiro nas escolas, já que houve o "fortalecimento de espaços de democratização", como a eleição para os grêmios estudantis. "O estudante é o destinatário dessa política pública e, por isso, precisa ser engajado para entrar nessa discussão."

Segundo Levy, depois da discussão nas escolas, serão marcados debates nas 91 diretorias de ensino do Estado e um encontro estadual. Ele ressaltou que a pasta quer tranquilizar os alunos para o fato de que em 2017 nada será alterado. "O próximo ano será de discussão, não haverá mudança. O currículo escolar não será alterado, a carga horária segue a mesma, a atribuição de aulas continua igual."

Protesto

A proposta de fortalecimento dos "espaços de participação" nas escolas estaduais surgiu quase um ano depois de estudantes da rede estadual terem invadido quase 200 escolas, no ano passado, em protesto contra a reorganização da rede estadual proposta pelo governo Geraldo Alckmin. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.