23°
Máx
12°
Min

Taxista é preso acusado de estuprar passageira inglesa em SP

Um taxista foi preso acusado de estuprar uma passageira inglesa de 27 anos durante uma corrida na madrugada de sábado, 4, no Itaim Bibi, zona oeste de São Paulo. Fabio Honorato da Silva, de 33 anos, foi indiciado pela Polícia Civil por ter mantido relação sexual à força com a vítima dentro do taxi, durante o percurso entre um restaurante e a casa dela, em Moema, na zona sul paulistana.

Silva foi detido no mesmo dia pela polícia, que buscou suas informações pelo aplicativo de celular da "99" usado por uma garçonete para solicitar o serviço à vítima, uma professora nascida em Londres. Os policiais marcaram o encontro em um posto de gasolina e o levaram para o 27º Distrito Policial (Campo Belo), onde foi reconhecido pela passageira. Aos policiais, o taxista admitiu o ato sexual, mas disse que o fez com o consentimento da vítima, que não fala português.

A professora inglesa contou que saia de uma confraternização com amigos em um restaurante na Rua Tabapuã, por volta da 1h30 de sábado, e pediu para uma garçonete do local solicitar um táxi. O chamado foi feito por meio do aplicativo da empresa "99". Segundo a vítima, o motorista notou que ela era estrangeira e, assim que o veículo, um prisma branco, parou em um semáforo, ele começou a assediá-la falando em português e tentando tocá-la. A passageira se esquivou.

Em seguida, Silva dirigiu para uma rua deserta, parou o veículo e pulou para o banco traseiro, onde começou a molestar a passageira até consumar a relação sexual forçada. Após o crime, segundo o boletim de ocorrência, o taxista pediu que a inglesa ficasse calma e que passasse a ele seus dados pessoais, como telefone e e-mail, para um "segundo encontro". O motorista ainda tentou cobrar o valor de R$ 537 por uma corrida de R$ 60.

Ao deixar o veículo, a passageira inglesa ainda conseguiu pegar o preservativo usado no crime pelo taxista, que foi indiciado por estupro (crime inafiançável) e levado para a cadeia pública. Uma amiga da vítima que a acompanhou na delegacia e foi intérprete da queixa, disse que assim que soube da ocorrência levou a professora ao Hospital Pérola Byington, onde ela foi medicada, mas não fez o exame sexológico porque não havia nenhuma médica mulher no local e ela se sentiu constrangida.

Em nota, a empresa "99" informou que já fez o bloqueio preventivo do motorista e que vai "cooperar integralmente" com as autoridades durante a investigação. "A 99 trabalha pela segurança de seus usuários e ficamos profundamente tristes ao saber do caso", afirmou a empresa.

"Desde nosso início, há quatro anos, criamos várias soluções para tornar o sistema ainda mais seguro aos usuários: exigimos de todos os nossos taxistas a documentação da Prefeitura, monitoramos as corridas e acompanhamos a avaliação dos motoristas, atuando sobre todas as reclamações", completou a empresa.

A reportagem não conseguiu localizar o advogado de defesa do taxista.