24°
Máx
17°
Min

Técnico mecânico pode ter assassinado mulher e se matado em Rio Preto

Um casal foi encontrado morto no interior da própria casa, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, na noite de segunda-feira, 8. A mulher, a técnica de enfermagem Keila Cristina Miranda, de 28 anos, tinha marcas de espancamento, e seu marido, o técnico mecânico Tiago Daniel dos Santos, de 32, estava enforcado com um cinto.

As primeiras investigações da Polícia Civil indicam que o homem pode ter agredido a mulher até a morte e, em seguida, tirado a própria vida. Os corpos foram encaminhados para exames no Instituto Médico Legal (IML).

Os dois foram encontrados pelo padrasto de uma das vítimas. Ele contou à polícia que estava sem notícias do casal e decidiu ir até a casa, no Parque da Cidadania, na zona norte da cidade.

O homem tinha a chave do imóvel e, ao entrar, deparou-se com a mulher caída no sofá da sala e o homem enforcado na área de serviço. Pelo estado dos corpos, já em processo de decomposição, os agentes que fizeram a perícia no local avaliaram que a morte do marido ocorreu horas após a da técnica de enfermagem.

Keila trabalhava no Ambulatório de Especialidades Médicas (AME) da cidade e, segundo uma colega de trabalho, as duas tinham combinado de ir a uma festa no fim de semana, mas Keila não apareceu. O corpo da jovem tinha muitos ferimentos e sinais de estrangulamento. Havia ainda marcas de sangue no móvel e no chão.

A mãe de Tiago, Rita de Cássia Alves, que também é técnica de enfermagem, disse à polícia que o casal estava junto havia dois anos. Segundo ela, o filho era dependente de drogas e tinha saído recentemente de uma clínica de recuperação.

Ela se comunicava com a nora pelo aplicativo WhatsApp e, estranhando a falta de contato, pediu ao marido que fosse até a casa. Segundo a mãe, Tiago já foi viciado em crack e ficava fora de controle quando sofria recaídas. Ele deixou dois filhos de outra relação - Keila não tinha filhos.

A polícia informou que só depois de examinar os laudos da perícia e de ouvir formalmente familiares e vizinhos poderá determinar com segurança as causas das mortes.