22°
Máx
14°
Min

Temer evita falar de política em ação contra Aedes


O vice-presidente da República, Michel Temer, fugiu de todas as questões de política no evento em que participou em Curitiba, na manhã deste sábado (13), pela mobilização contra o mosquito Aedes aegypti. Temer limitou-se a dizer que "não era conveniente misturar as coisas neste momento", quando perguntado sobre a sua relação com a presidente Dilma e o andamento do impeachment.

"O governo decidiu realizar esta mobilização em que estão envolvidos todos os ministérios para podermos enfrentar a situação grave que o Brasil vive", afirmou Temer. O vice-presidente destacou a "união" de todas as esferas de governo para atender à população. Sobre a sua vinda para Curitiba, Temer revelou que foi combinado que cada membro do governo participaria de mobilizações fora de seus estados de origem - no caso dele, de São Paulo.

O evento em Curitiba é o primeiro que Temer participa em nome do governo federal desde que ensaiou um rompimento com a presidente Dilma, através de uma carta que vazou para a imprensa, no final de 2015. Mesmo não admitindo abertamente, o vice-presidente deu a entender que vai participar ativamente do governo até o final do mandato de Dilma, quando, segundo ele, o PMDB deve lançar candidato próprio à Presidência da República.

Em Curitiba, o início da mobilização ocorreu no Quartel General do Pinheirinho, com a participação do prefeito Gustavo Fruet (PDT) e do secretário estadual de Saúde, Michele Caputo (PSDB), que representou o governador Beto Richa (PSDB).

A previsão é de que cerca de 2,3 mil militares participem no Paraná das ações previstas pelo governo federal para combater o mosquito. A capital paranaense, embora pouca atingida ainda pela doença - foram 106 casos de dengue confirmados, todos importados, e três de Zika vírus. No último dia 8 foi registrada a primeira morte provocada pela dengue na cidade, de um homem que teria contraído a doença no Paraguai.

No Paraná, em compensação, 14 cidades estão em situação de epidemia, com um total de 4.806 casos em todo o Estado. O ponto mais crítico é na cidade de Paranaguá, com o maior número de casos.
A partir de segunda-feira, agentes de Saúde, soldados do Exército e da Aeronáutica devem percorrer todos os bairros de Curitiba, em busca de possíveis locais de propagação do mosquito.