22°
Máx
17°
Min

Usuário planta maconha para evitar 'biqueira'

Foto: Divulgação  - Usuário planta maconha para evitar 'biqueira'
Foto: Divulgação

Desde o ano passado, o psicólogo Carlos (nome fictício), de 29 anos, planta a maconha que fuma. O risco de visitar as "biqueiras" e a preocupação com a qualidade da erva comprada pesaram em sua decisão. Ele procurou as sementes pela internet e aprendeu a cultivar a planta com um amigo.

Carlos conseguiu espaço na casa de um amigo e, juntos, plantaram nove mudas, das quais cinco vingaram. O processo levou oito meses para ser concluído e cada pé rendeu 30 gramas da erva. "Não dá para ficar indo em biqueira, é muito arriscado. Ainda mais quando você já tem um visual diferente e chama atenção. Além disso, o gosto é outro, o cheiro é outro.

Há muita diferença entre a maconha plantada e a preo de produtos misturados com a erva vendida por traficantes. nsada", diz, citando ainda outro item que atrai os plantadores: o recei

Hoje o consumo, a aquisição e mesmo o cultivo de entorpecentes é considerado crime, previsto no artigo 28 da Lei de Drogas, de 2006. A punição pode ser uma advertência, prestação de serviços à comunidade ou ainda a aplicação de algum tipo de medida educativa.

Os riscos não intimidam os usuários, que defendem a descriminalização da droga. Em suas plantações caseiras ou mesmo coletivas, adeptos do cultivo de maconha testam os limites que a polícia estabelece para separar a produção para próprio consumo da distribuição - que, para a legislação de 2006, é tão crime quanto a venda.

Nos fóruns online, há dicas sobre o melhor material para construir as estufas, o tipo de iluminação que elas precisam, a quantidade de água para as plantas, o adubo que funciona melhor e o momento certo para a colheita.

Também há uma série de informações sobre tipos de ervas, sementes e resultados esperados - verdadeiros sommeliers da planta, em um mercado que conta ainda com uma série de objetos para queimar a erva, desde boings, que usam água para atenuar a fumaça, a cachimbos e cigarros eletrônicos, importados dos Estados Unidos, em que a planta é queimada a vácuo. As páginas dos fóruns são abastecidas com informações fornecidas pelos próprios usuários. Um dos mais conhecidos é o Groowroom, que chega a ter 200 usuários online simultaneamente, segundo o contador da própria página.

Terapia

O engenheiro Caio (nome fictício), de 25 anos, morador da região metropolitana de Sorocaba, no interior de São Paulo, comprou sementes pela internet utilizando seu cartão de crédito internacional. Elas chegaram pelo correio.

A ideia era plantar por curiosidade, já que, de acordo com ele, sempre teve "afeto grande com plantas, animais e natureza em geral", combinando o gosto pelo uso do entorpecente com o tempo dedicado à plantação da erva. O engenheiro conta que também queria evitar o contato com o tráfico e com produtos de qualidade baixa.

"Os motivos de alguém querer plantar são esses. Conheço poucos que têm o intuito de plantar para vender. A maioria é para evitar contato com bandidos, com o tráfico e ter um produto de qualidade", disse.

Ele iniciou o cultivo da planta quando morava sozinho. Depois de um período, voltou a morar com a mãe e interrompeu a plantação. "Mas, se eu pudesse, plantaria de novo, porque é legal e gosto de plantas. É um hobby. Assim como gosto de desmontar meu carro, por exemplo."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.