27°
Máx
13°
Min

Vacinas de H1N1 Se esgotam em postos de saúde de São Paulo

(Foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília) - Vacinas de H1N1 Se esgotam em postos de saúde de São Paulo
(Foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília)

As vacinas contra a gripe H1N1 esgotaram nos postos de saúde de todas as regiões da capital paulista antes do término da campanha nacional, que teve início excepcionalmente no dia 11 de abril em São Paulo e se encerra nesta sexta-feira, 20. Em pelo menos 10 Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade, procuradas pelo jornal O Estado de S. Paulo, os funcionários informaram que há dias a imunização chegou ao fim e que não há previsão de reposição das doses.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), o governo estadual assegurou que os postos vão receber mais doses nesta sexta. "A vacina está garantida para crianças que receberam pela primeira vez e devem tomar a 2.ª dose e quem ainda não se vacinou dos grupos prioritários", revelou a pasta. Integram o grupo prioritário, por exemplo, as crianças entre seis meses e 5 anos, as gestantes e pessoas acima de 60 anos.

A gestão Fernando Haddad (PT) afirmou que foram aplicadas 3.122.222 doses e vacinados 99,3% do público-alvo. Com isso, segundo as informações da Prefeitura, a capital ultrapassou a meta de imunização (80%) para o público prioritário nos dois meses de campanha de 2016.

Em nota, a Secretaria Estadual da Saúde garantiu que "haverá vacina disponível para as crianças menores de cinco anos que precisam receber a segunda dose". "Novas doses para os demais grupos dependem do Ministério da Saúde, que é o responsável por comprar e distribuir vacinas aos Estados", acrescentou o governo estadual. No interior, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) informou que o Estado adquiriu mais 1 milhão de doses.

A pasta também reforçou que a meta da campanha, de imunização de 80%, foi alcançada. "Na Grande São Paulo, essa meta foi atingida ou superada, como no caso da capital, onde a cobertura chegou a quase 100%". Ainda de acordo com a pasta, haverá

Lotes

Na UBS Brasília, zona sul da capital, uma funcionária, por telefone, disse que "chegou um pouquinho de vacina e já acabou de novo". "Agora, não tem previsão", afirmou. Do outro lado da cidade, diante da UBS Vila Barbosa, na zona norte, o auxiliar de farmácia Reinaldo Domingos, de 33 anos, conta que tem amigos preocupados na rede pública de saúde com a falta das vacinas. "A vacina está em falta em quase todos os postos. Os lotes chegam com 100, no máximo 200 doses. Não dá para todo mundo", explicou.

Também na UBS Vila Barbosa, a recepcionista hospitalar Ana Paula Cardoso, de 35 anos, estava acompanhada do filho Davi, de três, já vacinado com a 1ª dose no início da campanha. A preocupação de Ana Paula é outra: diferentemente de anos anteriores, quando imunizou o filho, desta vez a funcionária do posto informou que desta vez não seria necessário aplicar a 2.ª dose da vacina no garoto. "Não marcaram nada no cartão. Vou ver com o pediatra dele na semana que vem. Se tiver de tomar, vou ter que correr atrás. Se só tiver na rede privada, vou ter que dar meu jeito", lamentou.

A atendente da UBS Brasilândia, na zona norte, disse por telefone que o posto "tinha poucas doses", mas acrescentou que seria preciso ir até a unidade "para saber". "Até ontem (quarta-feira), tinha a primeira dose para grupos prioritários. Mas não sei se já acabou", afirmou.

Mãe de um bebê de sete meses, a enfermeira Suelen Francelino, de 31, conta que fez uma peregrinação por quatro postos de saúde na última semana até conseguir imunizar seu filho com a 2.ª dose da vacina. "No dia 12 de maio, exatamente após 30 dias da primeira dose, levei meu filho para a segunda dose. Fiquei indignada com a situação. Fui informada de que a vacina estava em falta em vários postos", explicou. Naquele dia, a enfermeira procurou, sem sucesso, em outras duas unidades.

Segundo Suelen, no dia seguinte, uma amiga foi levar o filho para vacinação e descobriu que uma UBS da Freguesia do Ó estava reservando somente a 2ª dose para crianças. "Ao chegar, visualizei uma placa informando que não tinha vacina H1N1 desde o dia 5 de maio. Mas ao conversar com o técnico de enfermagem responsável pela vacina, ele me informou que o posto tomou a liberdade de guardar algumas vacinas para crianças que já tomaram a primeira dose".

No centro da cidade, a funcionária da UBS República informou que não há 2ª dose para crianças, nem 1ª para grupos prioritários. "Não temos e não sabemos a previsão. A campanha acaba amanhã, mas o Ministério não sinalizou nada. Não sabemos se vai prorrogar", disse. Procurado, o Ministério da Saúde não comentou o assunto até a publicação desta matéria.