22°
Máx
17°
Min

Vídeo mostra 'parto empelicado' no interior de São Paulo

O parto dos bebês Pedro e Miguel deveria ocorrer normalmente neste mês, em Barretos (SP), mas uma surpresa transformou o nascimento de um dos gêmeos em algo raro. O primeiro não teve dificuldades no parto, já Miguel ficou dentro do saco amniótico. Ele nasceu em meio a uma espécie de "bolha de água". A cena do parto "empelicado" foi filmada por uma técnica em enfermagem.

As imagens foram reproduzidas e repercutiram também nas redes sociais. A mãe das crianças, a manicure Paula Placencia Idelfonso, contou ter se sensibilizado ao saber que o filho veio ao mundo se mexendo ainda dentro da bolha. "Aquilo foi como um milagre", falou. Ela teve os filhos no último dia 4 deste mês, após uma gestação tranquila.

O parto foi feito por cesariana e o primeiro nasceu com pouco mais de 2,6 quilos. Miguel também tem peso parecido. "Comecei fotografando e quando vi que ele saiu sozinho, mas dentro da bolsa, resolvi filmar", explicou a técnica em enfermagem Gisele Aparecida Correia da Silva, que fez o vídeo. "Foi mágico. Emocionante para toda equipe", garantiu Gisele.

Raro

O bebê foi retirado da barriga da mãe ainda recebendo oxigênio pelo cordão umbilical e o médico usou uma pinça para romper o saco e finalizar o parto. Especialistas contaram que não é comum a criança nascer dessa maneira - as chances são de uma a cada 80 mil. Preservar essa bolsa de água, às vezes, é um meio usado em partos de bebês muito pequenos ou para deixar o processo ser finalizado espontaneamente.

"Isso é raro, porque a bolsa estoura normalmente. Conforme o bebê vai descendo, ela vai se esticando e se rompe. Nesses casos, a bolsa acompanha o bebê", explica Alberto Guimarães, ginecologista e obstetra do Hospital São Luiz do Itaim e um dos criadores do programa Parto sem Medo.

Guimarães diz que o processo não traz riscos para o bebê. "Por ter nascido assim, mostra que a experiência do parto normal foi agradável, que a mulher conseguiu parir o bebê dela sem que empurrassem sua barriga nem furassem a bolsa."

Ele afirma ainda que o bebê não costuma nascer empelicado em cesáreas. "Nesse tipo de parto, é difícil tirar o saco gestacional sem romper a bolsa." COLABOROU PAULA FELIX