22°
Máx
17°
Min

Zika avança pelo interior de SP e já atinge pelo menos 15 cidades


Depois de 800 casos suspeitos em Ribeirão Preto, o zika avança para outras cidades e espalha o medo no interior de São Paulo. Pelo menos 15 municípios, incluindo importantes polos regionais, já registraram casos suspeitos ou confirmados da doença. O vírus também alcança cidades do Vale do Paraíba e do oeste do Estado e pequenas localidades passaram a reportar suspeitas.

Em Piracicaba, gestantes correm às unidades de saúde para fazer exames que detectam a microcefalia em bebês. A cidade já teve confirmado um caso de zika vírus em um grávida de 20 anos, mas o bebê está bem. Na quinta-feira, foi notificado o nascimento de uma criança com perímetro da cabeça inferior a 32 centímetros - indicativo da má-formação -, mas ainda sem associação com o vírus.

Ao todo, 2.500 gestantes estão sendo monitoradas na rede pública em busca ativa de casos de gestantes infectadas - 12 apresentaram manchas vermelhas na pele e outras 8, sintomas menos suspeitos. "Sabíamos que o zika estava para chegar e, por isso, nos preparamos", disse o coordenador do Programa Municipal de Saúde da Criança, Rogério Antonio Tuon. O caso da gestante com o vírus, contraído na própria cidade, foi diagnosticado por meio desse controle das grávidas, um trabalho iniciado em 2009 para reduzir a mortalidade neonatal e que, em dezembro do ano passado, foi estendido ao zika vírus.

De acordo com Tuon, mesmo as gestantes não inscritas na rede pública são contatadas pela equipe, por uma central telefônica. "Os funcionários são treinados para essa abordagem e fazem perguntas sobre os sintomas. Em caso positivo, iniciamos a investigação." A Secretaria Municipal de Saúde preparou um fluxograma para as gestantes que tiveram sintomas, como exantema - vermelhidão na pele -, em qualquer fase da gestação. Amostras são colhidas e, se algum exame der positivo, a mulher é encaminhada para o pré-natal de alto risco. Os recém-nascidos e crianças nascidas desde julho de 2015 também são monitorados.

Transgênico

Na quinta (11), gestantes eram examinadas na unidade de saúde do bairro Cecap/Eldorado, onde a prefeitura e a empresa Oxitec desenvolvem o projeto do Aedes transgênico. Desde que o experimento foi iniciado, em abril de 2015, são soltos semanalmente 800 mil machos geneticamente modificados nas ruas. Os machos não picam as pessoas, mas ao copular com as fêmeas tornam sua prole inviável. De acordo com a prefeitura, a população de mosquitos foi reduzida em 82% no bairro. "Com a chegada do zika vírus, quem se incomodava com o Aedes transgênico agora já quer que solte mais", contou a agente de saúde Maria do Carmo Tonussi. O projeto será estendido a outras regiões da cidade.

Piracicaba tem outros 25 casos suspeitos de zika em não gestantes, na maioria autóctones - as pessoas teriam se infectado ali mesmo. Cidade vizinha, Limeira também entrou na rota do vírus. Quatro mulheres com idade entre 30 e 60 anos apresentaram sintomas. De acordo com a prefeitura, três pacientes viajaram para outras localidades e, após o retorno, apresentaram sintomas como febre e dores no corpo. Todos os exames deram negativo para dengue, o que motivou a investigação de zika.

Em Americana, os primeiros exames de amostras colhidas de uma gestante de 31 anos, com sintomas da doença, deram positivo para o vírus. Ela procurou o serviço de saúde com manchas vermelhas no corpo. É o primeiro caso confirmado na cidade. Campinas descartou 19 casos suspeitos este ano, mas um continua em investigação, segundo a prefeitura.

Em Sorocaba, dois casos de zika vírus foram confirmados na última semana. Outros oito estão em investigação. São José do Rio Preto confirmou um caso - de um paciente de 67 anos, que já está recuperado. Sumaré entrou na lista ao confirmar, em 2015, o primeiro caso de zika do Estado. A prefeitura de Salto confirmou esta semana o primeiro caso na cidade, mas informou que o paciente foi infectado em Brasnorte (MT).

No Vale do Paraíba, São José dos Campos registra seis casos confirmados este ano, todos importados. Taubaté teve esta semana o primeiro registro, de uma mulher de 35 anos, não gestante, que viajou ao Rio. Em Botucatu, uma paciente de 56 anos pode ter sido infectada numa viagem a Cáceres (MT).

Oeste

A doença também chegou ao oeste paulista. O primeiro caso, numa paciente de 46 anos, foi detectado em Dracena, em um laboratório particular. E o vírus já assusta moradores de cidades pequenas. Uma gestante de Cravinhos, de 33,8 mil habitantes, na região de Ribeirão Preto, apresentou sintomas, porém os exames deram negativo para zika. Em Cesário Lange, de 15,5 mil habitantes, uma grávida foi atendida com manchas e causou alvoroço, mas não estava com o vírus. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.