22°
Máx
17°
Min

Conscientização marca Dia Nacional de Controle de infecção hospitalar

Foto: Divulgação - Conscientização marca Dia Nacional de Controle de infecção hospitalar
Foto: Divulgação

A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar da Fundação de Saúde Itaiguapy promove atividades no Hospital Ministro Costa Cavalcanti nesta semana, para lembrar o Dia Nacional de Prevenção e Controle de Infecção Hospitalar, comemorado no dia 15 de maio.

 A equipe do Serviço de Controle de Infecção (SCIH) realizará palestras e passará em todos os setores entre os dias 9 e 14 de maio para orientar colaboradores e acompanhantes sobre os cuidados para evitar infecção hospitalar.

No corredor que dá acesso a sala da SCIH, a equipe decorou a parede com animações que representam a sujeira das mãos.

Todos podem ajudar

“É importante lembrar que para contribuir com o hospital, não é aconselhável que os visitantes sentem na cama do paciente ou tragam alimentos. Além disso, é fundamental sempre lavar as mãos”, frisa a enfermeira Simone Copetti.

As mãos transmitem a chamada contaminação cruzada. A recomendação é lavá-las antes e depois de tocar numa pessoa doente. A orientação é válida para os visitantes e também para os profissionais de saúde, por isso, os colaboradores participam de uma campanha para avaliar se eles lavam as mãos da maneira correta.

“A campanha serve para conscientizar e estimular, pois o profissional passa a lavar as mãos adequadamente quando percebe que suas mãos podem, de fato, transmitir agentes infecciosos de um paciente a outro”, explica Silvana.

Vigilância epidemiológica

O Costa Cavalcanti conta com a SCIH que desenvolve ações de vigilância epidemiológica das infecções. Os integrantes fazem visitas diárias aos blocos de internação. Após a coleta de dados é feita a análise estatística e elaborado um plano de ação.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera até 5% um índice normal de infecção hospitalar. A taxa média de infecção registrada no HMCC é de 3% dos pacientes internados, número bem abaixo do índice registrado em hospitais brasileiros que é de 15,5%. Infecção hospitalar, compreendendo suas causas e colaborando com a prevenção.

O que é infecção hospitalar?

É a infecção adquirida após a internação do paciente e que pode se manifestar durante sua estada no hospital ou até mesmo após a alta, desde que esteja relacionada a procedimentos realizados durante a permanência do paciente na unidade hospitalar.

Não existe hospital que não tenha registro de ocorrência de infecção hospitalar. Os melhores hospitais do mundo registram infecções e surtos em suas dependências, muitas vezes a despeito de todas as medidas preventivas utilizadas.

Entre 60 - 70% das infecções hospitalares NÃO PODEM SER EVITADAS, pois estão comprometidas precisa ser submetido a procedimentos invasivos, que embora necessários diretamente relacionadas a gravidade da doença do paciente, que além de ter suas defesas representam um risco maior para aquisição de infecção (cateteres, sondas, cirurgias etc...)

As Unidades de Terapia Intensiva (UTI) costumam ser os setores com maior incidência de infecções hospitalares, pois são as unidades que recebem os pacientes com maior gravidade e, portanto, maior risco para aquisição de infecções.

Podemos prevenir entre 30 – 40 % das infecções por meio de medidas simples, como a higienização das mãos com álcool gel a 70%, ou ainda, a lavagem com água e sabão líquido seguida de secagem em papel toalha, antes e após o contato com o paciente. (Dra Flávia Trench – Médica Infectologista HMCC)

Colaboração: Assessoria de imprensa