21°
Máx
17°
Min

Foz recebe unidade móvel de testagem de HIV

Foto: Assessoria - Foz recebe unidade móvel de testagem de HIV
Foto: Assessoria

Uma ação inovadora, lançada em 2014 em Curitiba, chega a Foz do Iguaçu nessa sexta-feira (05). Pela primeira vez, uma unidade móvel de testagem vai percorrer pontos estratégicos da cidade oferecendo testes rápidos de HIV.

O público alvo são jovens gays e homens que fazem sexo com homens (HSH), população-chave mais vulnerável à infecção, mas todas as pessoas que procurarem o serviço serão atendidas.

O trailer, equipado com dois laboratórios, vai funcionar sempre às sextas-feiras e sábados, das 18h às 22h. Esse mês, a unidade móvel estará na Praça das Nações (Mitre).

A equipe contratada pela Secretaria de Estado da Saúde (SESA) para desenvolver a atividade na fronteira passou por oficinas, capacitações e treinamentos.

São coletadores, aconselhadores e educadores. “Mas existe uma figura muito importante na ação: os linkadores. Esse profissional vai incentivar o portador, lembra-lo e acompanha-los nos exames, facilitando a adesão aos serviços de saúde e evitando que ele abandone o tratamento”, explicou a chefe do Centro Estadual de Epidemiologia, Júlia Cordellini.

Os linkadores vão trabalhar exclusivamente com o público alvo do projeto. Batizado de “A Hora é Agora – Testar nos Deixa Mais Fortes”, o projeto atendeu 2.637 pessoas no ano passado em Curitiba.

Pacientes com diagnóstico positivo já realizam outro exame fundamental: a contagem das células (linfócitos) CD4. Elas são as primeiras a serem atacadas quando o vírus HIV entra na corrente sanguínea. “Esse exame revela como está a imunidade do portador”, disse Júlia.

A contagem em pessoas soronegativas varia de 500 a 1.200 CD4 por mililitro de sangue.

Quando o índice fica abaixo de 200, o portador corre risco de ser atacado por doenças oportunistas, que podem leva-lo à morte.

“O projeto propicia o diagnóstico precoce e o portador começa o tratamento mais cedo, diminuindo a carga viral e a chance de transmissão”, explicou o coordenador técnico do Programa Municipal de DST/AIDS e Hepatites Virais, Wanderlei Furtado.

A ação que será desenvolvida em Foz tem durabilidade de um ano.

O projeto é realizado em parceria entre o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC Brasil), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), SESA e Secretaria Municipal da Saúde (SMSA). O lançamento será às 10h, na praça das Nações (Mitre).

Números

Em Foz do Iguaçu, foram registrados 124 casos de HIV/AIDS em 2014; 145 em 2015; e 18 no primeiro quadrimestre desse ano. Nos últimos três anos, quatro crianças também receberam diagnóstico positivo.

Desde que a epidemia começou a ser notificada na fronteira, em 1988, já foram notificados 2,3 mil casos de HIV/AIDS, sendo 84 crianças.

No Paraná, desde 1983, foram registrados 46.882 casos de HIV/AIDS. Por ano, no Estado, são 2,4 mil novos casos de HIV e 1,4 mil de AIDS.

De acordo com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), havia mais de 700 mil pessoas vivendo com HIV no Brasil em 2014.

No mesmo ano, foram registradas 16 mil mortes relacionadas à doença no País.

Estima-se que entre 0,4% e 0,7% da população geral esteja infectada, mas entre gays e homens que fazem sexo com homens essa proporção cresce para 10,5%.

Outras populações-chave afetadas são pessoas que usam drogas (5,9%) e profissionais do sexo (4,9%).

Uma das propostas da UNAIDS é intitulada de 90-90-90.

A meta prevê que até 2.020, 90% das pessoas vivendo com HIV estejam diagnosticadas; destas, 90% estejam em tratamento; e das pessoas em tratamento, que 90% apresentem carga viral indetectável.

Atualmente no Brasil, 80% das pessoas vivendo com HIV foram diagnosticadas; 48% estão em tratamento e, destas, 40% têm carga viral indetectável.

Colaboração: Assessoria de imprensa