21°
Máx
17°
Min

O lado do câncer que ninguém fala

(Foto: Divulgação) - O lado do câncer que ninguém fala
(Foto: Divulgação)

Enquanto é amplamente divulgado informações sobre a prevenção do câncer de mama, o movimento vem para destacar a fase mestastática da doença. Neste Outubro Rosa, o foco da companhia é desmistificar a fase avançada do Câncer de Mama - associada à morte por 70% da população brasileira -, levando informações sobre o tratamento adequado.

Conheça algumas informações

  • O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Esta doença representa 22% dos novos casos de câncer a cada ano, sendo um dos mais comuns entre mulheres;
  • Existem vários tipos de câncer de mama, entre eles o HER2 positivo, um dos mais agressivos. No mundo, seis novos casos são diagnosticados a cada hora. Cerca de um quarto das mulheres diagnosticadas têm menos de 50 anos. Só no Brasil são esperados 57 mil novos casos de câncer de mama em 2016, segundo dados do INCA;
  • Tumor metastático é aquele que se espalha a partir do lugar onde se inicia para outro local do corpo, estágio IV da doença, fase em que o câncer atinge outras partes do corpo. Os órgãos mais frequentemente atingidos são: ossos, pulmões, fígado e cérebro, conclui o especialista;
  • Pesquisa Datafolha evidencia que 70% da população considera a doença na fase metastática uma sentença de morte. Quase metade da população desconhece ou acha que não existe tratamento para o câncer de mama avançado. Entretanto, o povo brasileiro tem esperança de lutar e vencer a batalha contra o tumor;
  • Com base nestes dados, vemos que a informação sobre o tratamento precisa ser disseminada. O tratamento é feito com terapias-alvo,conhecida como medicina personalizada, e ataca especificamente as células cancerosas, resguardando as saudáveis, e, com isso, minimiza os efeitos colaterais;
  • A Roche é pioneira no desenvolvimento de terapias-alvo e na busca constante de tratamentos cada vez mais individualizado ao paciente, envolvendo os diversos tipos e estágios do câncer de mama.

História de Dona Eny

A paulista Eny Rodrigues Silva optou por encarar o tratamento de câncer como uma ‘questão’ para resolver a cada 21 dias. Quem a escuta dizer isso com certa tranquilidade, não imagina sua longa jornada no hospital. Ela sentiu algo diferente no seio em 2002, quando estava amamentando, e resolveu procurar um médico. Eny descobriu tumor agressivo na mama e passou por mastectomia e sessões de quimioterapia. Teve alta após cinco anos de acompanhamento, mas no ano seguinte começou a sentir fortes dores nos braços e pernas. Foi então que descobriu que o câncer havia se espalhado para ossos e fígado e ouviu do médico que “não havia mais alternativas”.

Um outro médico disse que, como última opção, ela poderia participar de um estudo com uma nova medicação. Nesse momento, Eny não conseguia mais andar, mas resolveu que tinha de viver, pela sua família. Após algumas seções do tratamento, ela recuperou sua força e os movimentos. Para Eny, que se tornou exemplo de vitória no hospital, há sempre esperança de renascer se não se acredita no fim. Ela já está há 6 anos combatendo o câncer e apresentou resposta completa ao tratamento, ou seja , atualmente não há resquícios da doença em seu organismo. Os tumores desapareceram completamente.

Paciente descobriu o câncer amamentando a segunda filha. Depois de cinco anos de tratamento, o médico deu alta. Um ano depois ela descobriu que estava com metástase nos ossos e no fígado. Depois de oito anos de tratamento ela está livre das metástases.