22°
Máx
16°
Min

Secretaria de Saúde reforça chamado para vacinação contra dengue

(Foto: Venilton Küchler) - Secretaria de Saúde reforça chamado para vacinação contra dengue
(Foto: Venilton Küchler)

Com adesão considerada baixa, a secretaria estadual de Saúde reforça o chamado à população dos 30 municípios paranaenses contemplados com a vacinação contra a dengue. A campanha será realizada até o dia 3 de setembro.

Em Londrina foi registrado o primeiro caso autóctone da doença no Paraná. “Por registrar epidemias frequentes nos últimos cinco períodos epidemiológicos, Londrina é um dos 30 municípios do Paraná contemplados com a vacina da dengue. Apesar dos números preocupantes, a adesão à campanha no município está abaixo do esperado”, comenta a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira.

A superintendente explica que um dos motivos que justificam a baixa adesão é a estação de baixas temperaturas, que reduz a incidência da doença. “Estamos em um período de calmaria. As pessoas acabam esquecendo e deixando de se preocupar com a dengue. Entretanto, a vacinação no inverno é estratégica”, diz Cleide.

  • Faixa etária – 9 a 44 anos, 11 meses e 29 dias: Paranaguá e Assaí.
  • Faixa etária – 15 a 26 anos, 11 meses e 29 dias: Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Boa Vista da Aparecida, Tapira, Santa Izabel do Ivaí, Cruzeiro do Sul, Santa Fé, Munhoz de Melo, Marialva, Paiçandu, São Jorge do Ivaí, Maringá, Mandaguari, Sarandi, Iguaraçu, Ibiporã, Jataizinho, Porecatu, Bela Vista do Paraíso, Cambé, Londrina, Sertanópolis, Leópolis, São Sebastião da Amoreira, Itambaracá, Cambará e Maripá.

A primeira fase da campanha da vacina contra a dengue começou no dia 13 de agosto e vai até 3 de setembro. De acordo com a Diretora Médica da Sanofi Pasteur, empresa responsável pela produção da vacina, Sheila Homsani, a partir da primeira dose, inicia-se a proteção. “Quem se vacinar agora, em agosto, estará mais protegido quando o verão chegar”, explica.

O esquema de vacinação é composto por três doses, com intervalos de seis meses, completando um ano até a última dose. Sheila complementa: “Após a primeira dose, já há proteção, mas também é importante que a população complete o esquema vacinal para assegurar o equilíbrio e a durabilidade da proteção”, enfatiza.

Colaboração Agência de Notícias do Estado