26°
Máx
19°
Min

Economia só volta a crescer no 1º trimestre de 2017, diz Fazenda

MAELI PRADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A economia só deve voltar a crescer no primeiro trimestre de 2017, afirmou nesta quarta-feira (30) o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fabio Kanczuk, ao comentar a queda de 0,8% do PIB (Produto Interno Bruto) entre julho e setembro deste ano.

"Na nossa melhor projeção, a economia vai começar a reagir no primeiro trimestre de 2017, ou seja, não vai haver crescimento no quarto trimestre de 2016", afirmou o secretário.

Ele afirmou que a divulgação do IBGE "surpreendeu positivamente" o mercado. "O consenso dos analistas era de que o PIB do terceiro trimestre cairia 0,9%. Como [a queda] foi de 0,8%, foi melhor, ou menos pior, do que o esperado. Surpreendeu positivamente".

Kanczuk declarou ainda que o Ministério da Fazenda "é sensível aos números da economia", mas que dar estímulo fiscal para as empresas não é o caminho mais indicado. "Temos trabalho em várias reformas microeconômicas para aumentar ganhos de produtividade. A leitura da Fazenda é que não é solução para a economia dar estímulos fiscais, porque essa é a razão para estarmos na crise que estamos agora".

O elevado endividamento das empresas, que se refletiu na queda dos investimentos, foi o grande responsável pela queda na atividade econômica, de acordo com ele, e decorreu de condições anteriores ao estabelecimento da nova agenda econômica do governo.

"A taxa de investimentos está baixa, mas houve um problema fiscal, a queda de confiança no passado, o que puxou os investimentos para baixo", disse. De acordo com ele, essa situação foi revertida com o ajuste fiscal proposto pelo governo, o que devolveu confiança ao mercado. "Essa confiança vai fazer o investimento voltar, e com o investimento voltando, a economia volta", declarou.

O secretário lembrou que as projeções para 2016 e 2017 não foram alteradas -ou seja, uma previsão de retração de 3,5% para 2016 e crescimento de 1% para 2017.

"Esse [crescimento de 1% em 2017] é o melhor número que a gente tem, com os nossos modelos. Eu considero que 1% é extremamente próximo de 0,98%", afirmou Kanczuk, ao explicar por que a pasta não reduziu sua projeção para o crescimento do PIB do ano que vem para 0,98%, como fizeram os analistas entrevistados pelo Boletim Focus, do Banco Central.

O secretário não deu projeção para a redução de receitas esperadas para o ano que vem com a previsão de um PIB menor. "Para projetar a receita não basta PIB, tem que olhar massa salarial, câmbio, inflação, deflator do PIB e juros. Essa conta está sendo feita e vamos divulgar o número que obtivermos no momento adequado", disse.