21°
Máx
17°
Min

À espera do Fed, Ibovespa sobe 0,67% puxada por ações da Petrobras

A Bovespa teve sua segunda alta consecutiva nesta terça-feira, 20, dando continuidade ao movimento de recuperação de perdas recentes, em meio a um ambiente de cautela e baixo volume de negócios. A um dia da decisão de política monetária do Federal Reserve(Fed, banco central dos EUA), a bolsa brasileira avançou 0,67%, com o Índice Bovespa em 57.736,45 pontos. Com chances mínimas de uma elevação de juros nos Estados Unidos, o clima de expectativa foi alimentado pela possibilidade de o Fed fornecer pistas sobre suas reuniões de novembro e, principalmente, de dezembro.

A alta da Bovespa foi puxada em boa medida pelas ações da Petrobras, que na divulgação de seu plano de negócios para os próximos cinco anos revelou detalhes bem recebidos pelos investidores. O novo plano foi aprovado na segunda-feira pelo Conselho de Administração e divulgado hoje. Ele prevê corte nos investimentos totais de 25%, para US$ 74,1 bilhões, ante US$ 98,4 bilhões da última revisão do plano 2015-2019, em janeiro. O objetivo é reduzir em 2018 a alavancagem da empresa para 2,5 vezes a relação dívida líquida X Ebitda, ante o patamar de 5,3 vezes registrado em 2015.

As notícias em torno da Petrobras elevaram a procura pelas ações da companhia, que responderam por quase 20% do total de negócios na Bovespa. Ao final da sessão, Petrobras PN, a mais negociada, teve alta de 3,45%. Petrobras ON, com menor liquidez, mas com movimentação majoritariamente de estrangeiros, subiu 1,07%.

As ações de bancos subiram e também contribuíram para manter o Ibovespa em terreno positivo. A alta dos papéis financeiros foi atribuída ainda à recuperação de perdas recentes, sustentada também por uma melhora no cenário político interno. Entre os papéis do setor, o destaque ficou com Banco do Brasil ON, que subiu 2,73%. Bradesco ON veio atrás, com alta de 1,44%.

Entre as ações que fazem parte do Ibovespa, as maiores altas foram de Cosan ON (+3,87%), Petrobras PN (+3,45%) e Raia Drogasil ON (+2,78%). Já as quedas mais significativas ficaram com Metalúrgica Gerdau PN (-5,66%), Rumo Logística ON (-4,86%) e Fibria ON (-3,79%). O volume de negócios totalizou R$ 5,32 bilhões, bem abaixo da média diária de setembro, de R$ 7,05 bilhões. Com o resultado de hoje, o Ibovespa contabiliza baixa de 0,28% em setembro e alta de 33,19% em 2016.