27°
Máx
13°
Min

Alta de preços acelera em 6 de 9 grupos do IPCA-15 de fevereiro, diz IBGE

Seis entre nove grupos registraram aceleração no ritmo de aumento de preços na passagem de janeiro para fevereiro dentro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira, 23.

O grupo Alimentação e Bebidas, de maior impacto sobre a inflação de fevereiro, passou de alta de 1,67% em janeiro para 1,92% este mês. Houve destaque para os aumentos significativos registrados pela cenoura (24,26%), cebola (14,16%), tomate (14,11%), alho (13,08%), farinha de mandioca (12,20%) e hortaliças (8,66%).

Os Artigos de Residência aumentaram de 0,48% em janeiro para 0,86% em fevereiro; os gastos com Transportes subiram de 0,87% em janeiro para 1,65% em fevereiro; Saúde e Cuidados pessoais aceleraram de 0,66% para 1,04%; Educação passou de 0,28% para 5,91%; e Comunicação aumentou de 0,11% para 0,91%.

Houve desaceleração em Habitação, que passou de uma taxa de 0,57% em janeiro para 0,40% em fevereiro; Vestuário, de 0,49% para 0,14%; e Despesas Pessoais, de 1,00% para 0,93%.

Em fevereiro, houve destaque também para os aumentos nos itens: TV, Som e Informática (3,43%), Cigarro (2,61%); Higiene pessoal (1,64%); Taxa de água e esgoto (1,64%); Serviços médicos e dentários (1,45%); Artigos de limpeza (1,40%) e Plano de saúde (1,06%).

Ônibus urbano

As tarifas dos ônibus urbanos ficaram 5,69% mais caras em fevereiro, pressionando a alta de 1,65% nas despesas das famílias com Transportes, no mês.

A passagem de ônibus ficou mais cara devido a reajustes ocorridos em sete regiões: Recife (reajuste de 14,28% a partir de 19 de janeiro); Curitiba (de 12% desde 1º de fevereiro); São Paulo (8,57% desde 9 de janeiro); Rio de Janeiro (11,76% em 2 de janeiro); Salvador (10% em 2 de janeiro); Belo Horizonte (8,82% em 3 de janeiro) e Goiânia (12,10% em 6 de fevereiro).

Os aumentos nas tarifas de ônibus urbano captados pelo IPCA-15 de fevereiro chegaram a 12,78% no Recife. Goiânia teve a menor alta no mês, de 3,64%.

Ainda no grupo Transportes, foram registrados aumentos expressivos em fevereiro nas tarifas de trem (6,12%), metrô (5,27%), ônibus intermunicipais (5,04%) e táxi (3,65%). Os combustíveis também ficaram mais caros, com alta de 4,92% no litro do etanol e aumento de 1,20% no litro da gasolina.

Cursos regulares

Os reajustes praticados no início do ano letivo explicam a alta de 5,91% registrada nos preços do grupo Educação, dentro do IPCA-15 de fevereiro. O destaque foi o aumento de 7,41% nas mensalidades dos cursos regulares, item de maior impacto individual sobre a inflação do mês, o equivalente a uma contribuição de 0,21 ponto porcentual para a taxa de 1,42% registrada pelo IPCA-15 de fevereiro.

Fortaleza foi a única região que não apresentou aumento nos cursos regulares no mês, em virtude da diferença de período de reajuste nas mensalidades. A região metropolitana de Recife teve a menor variação de preços, alta de 3,99%, enquanto o Rio de Janeiro registrou o maior aumento, 10,88%.

Já as mensalidades dos cursos diversos - que incluem idioma, informática, etc. - tiveram elevação de 5,53% em fevereiro.