21°
Máx
17°
Min

Aneel aprova queda nas tarifas da CNEE e da Caiuá-D

(Foto: Marcos Santos / USP Imagens) - Aneel aprova queda nas tarifas da CNEE e da Caiuá-D
(Foto: Marcos Santos / USP Imagens)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou uma diminuição média de 0,37% nas tarifas da Companhia Nacional de Energia Elétrica (CNEE). Para consumidores conectados em alta tensão, o aumento será de 1,90%, e para a baixa tensão, haverá queda de 1,15%. As novas tarifas vigoram a partir de 10 de maio.

O reajuste diz respeito ao quarto ciclo de revisão tarifária da CNEE, processo feito de quatro em quatro anos para manter o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão. A empresa pertence ao grupo Energisa.

Caiuá-D

A Aneel também aprovou uma queda média de 0,94% nas tarifas da Caiuá-D. Para consumidores conectados em alta tensão, o aumento será de 2,84%, e para a baixa tensão, haverá uma queda de 2,32%. As novas tarifas vigoram a partir de 10 de maio.

O reajuste diz respeito ao quarto ciclo de revisão tarifária da Caiuá-D, processo feito de quatro em quatro anos para manter o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão. A empresa também pertence ao grupo Energisa.

EDEVP

Em contrapartida, a Aneel aprovou um reajuste de 1,69% nas tarifas da Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema (EDEVP), outra companhia da Energisa. Para consumidores conectados em alta tensão, o aumento será de 6,20%, e para a baixa tensão, haverá uma queda de 0,33%. As novas tarifas vigoram a partir de 10 de maio.

O reajuste diz respeito ao quarto ciclo de revisão tarifária da EDEVP, processo feito de quatro em quatro anos para manter o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão.

Elétrica Bragantina

A Aneel aprovou ainda um reajuste de 1,84% nas tarifas da Empresa Elétrica Bragantina (EEB). Para consumidores conectados em alta tensão, o aumento será de 2,06%, e para a baixa tensão, haverá alta de 1,68%. As novas tarifas vigoram a partir de 10 de maio.

O reajuste diz respeito ao quarto ciclo de revisão tarifária da EEB, processo feito de quatro em quatro anos para manter o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão. A empresa também pertence ao grupo Energisa.