22°
Máx
16°
Min

Anfavea prevê que Moderfrota terá boa demanda com alta do preço das commodities

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, disse nesta segunda-feira, 6, que, com o aumento dos preços das commodities, a expectativa é de que haja uma "boa demanda" por recursos da linha de financiamento do Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Segundo ele, o governo já informou o setor que as montadoras podem fazer seus pedidos de recursos a partir desta terça-feira, 7. Os recursos disponíveis para a linha, estimados em torno de R$ 5 bilhões, começariam a ser aplicados a partir de 1º de julho, quando começa o ano-safra 2016/17, pelo período de um ano.

Pela manhã, a Anfavea divulgou que as vendas internas de máquinas agrícolas e rodoviárias no atacado atingiram 3.444 unidades em maio, queda de 16,9% na comparação com igual mês do ano passado, mas crescimento de 19,3% ante abril. No acumulado do ano, a queda é de 36% ante igual período de 2015.

A produção de máquinas agrícolas e rodoviárias, por sua vez, chegou a 3.974 unidades em maio, queda de 31,6% em comparação com igual mês do ano passado, mas avanço de 3,4% em relação a abril. No acumulado do ano, a queda é de 43,5%.

Desoneração

Megale afirmou também que não pretende pedir desonerações de impostos ao novo governo, mas sim uma maior previsibilidade para os negócios das empresas, citando como exemplo a estabilidade das regras estabelecidas para as linhas de financiamento voltadas a máquinas agrícolas e caminhões.

A primeira conversa da associação com o governo deve ocorrer nesta semana, na terça-feira, 7, ou quarta-feira, 8, disse Megale. Segundo ele, o principal objetivo do encontro é apresentar o cenário atual do setor ao novo ministro da Indústria, do Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira. Sobre algum possível pedido de incentivo fiscal, Megale reforçou que "não há nenhuma demanda nesse sentido".

Além disso, Megale disse que a Anfavea estará presente na próxima reunião do governo brasileiro com o governo argentino para discutir a renovação do atual acordo automotivo entre os dois países. O encontro está marcado para os próximos dias 9 e 10 de junho e a expectativa da Anfavea é que, pelo menos desta vez, o acordo possa ser renovado por um período maior, de pelo menos dois anos, demanda que também tem o apoio das montadoras instaladas na Argentina. As últimas renovações foram feitas por somente um ano.

Nenhuma reunião, porém, foi marcada com o presidente em exercício, Michel Temer. "Mas o pedido já foi feito, estamos esperando a agenda dele ficar mais folgada", afirmou o presidente da Anfavea.

Megale afirmou que o governo de Michel Temer tem demonstrado comprometimento em realizar "correções" na economia brasileira. "Mas é prematuro para fazer uma avaliação", disse o empresário. "O que espero é que haja uma estabilidade da equipe econômica", acrescentou, negando em seguida que a possível volta de Dilma Rousseff ao comando do governo seja algo necessariamente ruim para o setor.