23°
Máx
12°
Min

Ata do Fed mostra dirigentes divididos sobre juros em meio a incertezas

A ata da reunião de política monetária de junho do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mostra dirigentes divididos sobre as perspectivas econômicas e sobre quais serão os próximos passos da política de juros.

Após sinalizar em abril e maio que poderiam estar prontos para elevar os juros nos próximos meses, as autoridades mostraram opiniões diferentes sobre a saúde do mercado de trabalho, a perspectiva para o crescimento, os riscos à economia e à trajetória da inflação.

Em meio a essas divisões, os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) concordaram ser "prudente esperar" novos dados econômicos antes de decidir como proceder.

Entre as preocupações, estava a votação no Reino Unido, que aconteceu uma semana após a reunião de junho. O voto pela saída, que causou volatilidade no mercado e fortaleceu o dólar, deve ter feitos os dirigentes ficarem ainda mais cautelosos quanto a uma nova alta nos juros.

"A maioria dos participantes julgou que, na ausência de choques econômicos ou financeiros significativos, a elevação dos juros seria apropriado se novos dados confirmassem que o crescimento econômico acelerou, que os ganhos nos empregos continuou em um ritmo suficiente para atingir a meta de pleno emprego e que a inflação deve voltar à meta de 2,0% no médio prazo", afirma o documento.

Apesar do consenso inicial, as autoridades discordaram em diversos assuntos. Para muitos, as condições atuais pedem que o Fed aja logo para não arriscar causar uma instabilidade financeira ou ainda ultrapassar a meta de inflação de 2,0%.

Outros gostariam de ter "evidências o suficiente" de um avanço sustentável da inflação para confirmar que a economia pode suportar uma nova alta de juros. Diversos membros notaram riscos negativos à perspectiva, incluindo a possibilidade de que a fraca geração de emprego em maio e a debilidade dos investimentos das empresas podem ser o prenúncio de uma desaceleração econômica.

Sobre a inflação, vários dirigentes se mostraram preocupados com a sinalização de menor expectativa de inflação vista nos mercados de títulos, mas outros observaram que, como os juros ainda estão perto de zero, o Fed tem menos espaço para responder a um rápido aumento na inflação do que a um enfraquecimento das condições econômicas.

Desde a reunião de junho, o voto britânico para deixar a União Europeia tornou-se uma preocupação ainda maior no Fed. Fed presidente Janet Yellen, disse em uma conferência de imprensa após a reunião de junho 14-15 que a incerteza em torno da votação Brexit foi um fator que influenciou a decisão do Fed de adiar a um aumento da taxa em junho.

"É uma decisão que poderia ter consequências para as condições econômicas e financeiras nos mercados financeiros globais", disse Yellen. "Se ele faz isso, ele poderia ter consequências, por sua vez, para as perspectivas econômicas EUA de que seria um fator na decisão sobre o caminho adequado da política." Fonte: Dow Jones Newswires.