22°
Máx
14°
Min

Auditores fiscais mantêm paralisação por tempo indeterminado após adiamento de sessão

Divulgação/Receita Federal - Após adiamento, auditores mantêm paralisação por tempo indeterminado
Divulgação/Receita Federal

Os auditores fiscais da Receita Federal (RF) decidiram manter estado de greve em todo o País por tempo indeterminado. A informação foi divulgada na manhã desta quarta-feira (14) pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco). 

De acordo com a nota, até o momento, o Governo "não fez gestões necessárias no Congresso Nacional para aprovação do Projeto de Lei 5864/16, que trata do acordo celebrado entre a categoria e a União, em março de 2016". A análise do projeto pela Comissão Especial foi adiada ontem, em Brasília, para o dia 4 de outubro. 

A entidade representante dos servidores afirma que a paralisação será mantida até que o projeto seja aprovado. "O Sindifisco Nacional lamenta mais uma vez os transtornos que serão gerados com a falta de compromisso do Governo Federal para com o acordo firmado com a categoria de auditores fiscais e espera uma solução para o caso o mais breve possível", finaliza.

Em Foz, a greve tem provocado filas no Porto Seco. Na última quinta-feira (8), pelo menos 1.200 motoristas estavam com cargas atrasadas. A paralisação ocorre, sempre, às terças e quintas-feiras. Como forma de protesto, são liberadas apenas cargas perecíveis e perigosas. 

Nesses dias, em especial, os caminhoneiros sofrem para conseguir o aval da fiscalização e concluir o trabalho. Há motoristas morando dentro do próprio veículo, improvisando cozinha e banheiro, por exemplo. 

O estado de greve começou no dia 11 de julho. A principal reivindicação é reposição salarial de 21%, acumulada em quatro anos.