28°
Máx
17°
Min

Bolsa de NY reverte alta da manhã e fecha em queda, em pausa após 3 altas

As bolsas dos EUA fecharam em baixa nesta quinta-feira, 18, depois de três dias de ganhos expressivos. O mercado abriu em alta, mas passou a recuar depois de os preços do petróleo devolverem seus ganhos. Isso alimentou a aversão dos investidores ao risco e beneficiou ativos considerados mais seguros, como o iene, o ouro e os títulos do Tesouro dos EUA. Investidores venderam ações de bancos e do setor de tecnologia e compraram as de setores considerados mais defensivos, como utilidades públicas e telecomunicações.

"Todas aquelas preocupações que estavam aí há duas semanas continuam no lugar", disse Bill Nichols, da Cantor Fitzgerald, referindo-se à questão do crescimento global e ao impacto econômico da queda dos preços do petróleo. Para ele, "faz sentido o mercado fazer uma pausa" depois de três sessões consecutivas de altas.

Os preços do petróleo tiveram altas fortes pela manhã, com otimismo quanto ao acordo entre alguns grandes produtores para congelar a produção nos níveis de janeiro e depois de o American Petroleum Institute (API) divulgar a estimativa de que os estoques de petróleo bruto dos EUA teriam se reduzido em 3,3 milhões de barris na semana passada. No meio da manhã, porém, os preços passaram a recuar, depois de o Departamento de Energia (DoE) informar que os estoques tiveram um crescimento de 2,147 milhões de barris; os estoques de gasolina e de destilados também cresceram, quando os analistas previam reduções, e a produção norte-americana se manteve acima dos 9,1 milhões de barris/dia.

Três indicadores foram divulgados pela manhã nos EUA. O número de novos pedidos de auxílio-desemprego feitos na semana passada ficou em 262 mil, com queda de 7 mil em relação à semana anterior; os economistas previam 275 mil pedidos. O índice de atividade industrial regional do Fed de Filadélfia subiu para -2,8 em fevereiro, de -3,5 em janeiro. O índice dos indicadores antecedentes da Conference Board recuou 0,2% em janeiro, após uma baixa de 0,3% em dezembro.

Dos dez componentes setoriais do S&P-500, oito fecharam em baixa, com destaque para os de energia (-0,93%), saúde (-0,69%) e bens de consumo não essenciais (-0,67%); o de tecnologia caiu 0,66% e o do setor financeiro recuou 0,61%. O de utilidades públicas subiu 1,64% e o de telecomunicações avançou 1,06%.

Entre as componentes do índice Dow Jones, o destaque negativo foi Walmart, cujas ações caíram 3,01% em reação a seu informe de resultados. As da IBM subiram 5,04%, depois de a empresa anunciar a compra da Truven Health Analytics por US$ 2,6 bilhões e ter sua recomendação elevada pelos analistas do Morgan Stanley. No setor de energia, as ações da Chevron caíram 1,79% e as da ExxonMobil subiram 0,55%. No setor financeiro, as ações do Goldman Sachs caíram 2,13% e as do JPMorgan Chase recuaram 1,63%.

O índice Dow Jones fechou em queda de 40,40 pontos (0,25%), em 16.413,43 pontos. O Nasdaq fechou em queda de 46,53 pontos (1,03%), em 4.487,54 pontos. O S&P-500 fechou em baixa de 8,99 pontos (0,47%), em 1.917,83 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires