28°
Máx
17°
Min

Bolsa espera eventos do fim de semana e fecha perto do zero a zero

A Bovespa fechou nesta sexta-feira, 11, praticamente no zero a zero, em leve alta de 0,14% aos 49.638,68 pontos, depois de demonstrar bastante instabilidade nos dois turnos de negócios.

A bolsa bem que ensaiou encerrar a semana acima da marca dos 50 mil pontos. Na máxima do dia, chegou aos 50.038 pontos. Mas a valorização de 16% acumulada nas últimas duas semanas foi considerada um impeditivo para uma valorização acima desse patamar, visto como de resistência por analistas gráficos.

Como pontuaram analistas do mercado de ações, a falta de uma direção clara e firme na Bovespa foi provocada pelo noticiário político com poucas novidades e a fraca agenda doméstica de indicadores econômicos. "O que vemos é o investidor ajustando posição à espera das manifestações de domingo e para a convenção do PMDB (programada para o sábado, dia 12), afirmou Hersz Ferman, analista da Elite Corretora.

Nesta sexta-feira, segundo os analistas, a pressão altista sobre o Ibovespa veio do exterior. Na avaliação de Ferman e do analista da Guide Investimentos, Luis Gustavo Pereira, a bolsa doméstica acompanhou o mercado externo, onde as bolsas de Nova York e da Europa fecharam em alta, assim como os contratos futuros do petróleo em Nova York (Nymex) e em Londres (ICE).

As blue chips destacaram-se na valorização. Em boa parte da tarde, os papéis da Petrobras, Vale e grandes bancos subiram. As ações ON da petroleira fecharam em alta de 2,85%. A ON do Banco do Brasil fechou em +6,28%.

Já entre as maiores baixas dentro da carteira Ibovespa, os destaques foram Oi ON (-10,17%), Estácio ON (-9,57%), Rumo ON (-6,56%), Lojas Americanas PN (-6,38%), e Ecorodovias (-5,39%).

Na semana, o Ibovespa marcou uma alta de 1,13%. No mês, +16,00%. E no ano, +14,51%.