22°
Máx
16°
Min

Bolsas da Europa fecham em alta com expectativa de novos estímulos de BCs


Os principais índices acionários europeus fecharam em alta no primeiro pregão da semana, em dia de movimento fraco devido ao feriado nos Estados Unidos, influenciados por expectativas de mais estímulos de bancos centrais. Como resultado, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 2,99% nesta segunda-feira, dia 15, aos 321,76 pontos.

As praças da região iniciaram o dia com forte impulso vindo dos mercados asiáticos, onde a maioria das bolsas fecharam no azul, ignorando dados negativos do Japão e da China. Destaque o rali de mais de 7% do índice Nikkei em Tóquio, que subiu em reação ao noticiário da semana passada e também com a divulgação de que economia local contraiu pelo segundo trimestre seguido no final de 2015. O dado elevou as apostas de que o Banco do Japão (BoJ) pode lançar mão de novas medidas de estímulo.

"Se considerarmos o recuo recente do Nikkei e a valorização do iene, a ideia de novos estímulos continua atraente", disse o economista sênior para o Japão da Capital Economics, Marcel Thieliant.

Na mesma linha, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse hoje que a instituição "não hesitará em agir" em sua reunião de março caso a volatilidade do mercado ameaça as perspectivas para a economia.

Em Londres, o índice FTSE-100 encerrou em alta de 2,04%, aos 5.824,28 pontos. As ações dos bancos foram novamente destaque positivo, enquanto os papéis das mineradoras ganharam após a China anunciar que as importações de minério de ferro e de cobre da China subiram 4,6% e 7,3%, respectivamente, em janeiro em relação a igual mês do ano passado. Glencore e Anglo American subiram 2,78% e 5,11%, respectivamente, enquanto o Standard Chartered, que tem grande exposição à China, avançou 5,61%.

Em Paris, o índice CAC-40 fechou aos 4.115,25 pontos, alta de 3,01%, beneficiado por aços de montadoras como a Renault (+7,67%) e a PSA Peugeot-Citroen (+6,95%). Já em Frankfurt, o DAX subiu 2,67%, aos 9.206,84 pontos, com destaque para as ações de concessionárias de serviços públicos como a E.ON (+8,40%) e a RWE (+4,43%).

Em Milão, o setor bancário foi beneficiado por relatos de que o BCE negocia a inclusão dos empréstimos inadimplentes do setor em sua lista de compra de ativos. Como resultado, o FTSE-Mib encerrou em alta de 3,19%, aos 17.041,82 pontos. Banca Popolare dell'Emilia Romagna liderou os ganhos com alta de 10,13%, enquanto Banco Popolare avançou 7,31%.

O índice Ibex-35 da bolsa de Madri registrou alta de 3,26% aos 8.179,20 pontos, enquanto o PSI-20 da bolsa de Lisboa fechou aos 4.640,17 pontos, alta de 2,33%.