22°
Máx
17°
Min

Bolsas da Europa fecham em queda, pressionadas por recuo do petróleo

Os principais índices acionários da Europa fecharam em queda nesta terça-feira, 13, com a maioria chegando ao final do pregão nas cotações mínimas do dia. As perdas foram puxadas principalmente pelos preços do petróleo, que reagiram negativamente ao corte das previsões da Agência Internacional de Energia (AIE) sobre a demanda global por petróleo em 2016 e 2017.

O relatório mensal da AIE reduziu a projeção de demanda para 2016 em 100 mil barris por dia (bpd), a 1,3 milhão de bpd. Para o ano que vem, a previsão recuou em 200 mil bpd, a 1,2 milhão de bpd. Com isso, o sentimento de que um excesso de oferta da commodity ainda vai persistir por algum tempo e continuar pressionando os preços influenciou nas cotações. Nesse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 1,03%, aos 338,72 pontos, com o setor de óleo e gás liderando as perdas.

O mesmo movimento foi observado no FTSE 100, de Londres, que fechou na mínima do dia, aos 6.665,63 pontos, queda de 0,53%. As petroleiras e as mineradoras acumularam as maiores quedas, com a BP recuando 1,90% e a Rio Tinto 1,63%. Outras ações reagiram dados de mercado, como as imobiliárias, que tiveram perdas devido aos cortes de rating realizados pelo Deutsche Bank sobre algumas companhias. Amanhã, os dados sobre desemprego no Reino Unido podem movimentar os negócios.

Em Frankfurt, o índice DAX encerrou o pregão em queda de 0,43%, aos 10.386,60 pontos, apagando os ganhos do início do dia proporcionados pelo índice ZEW de expectativas econômicas, que apresentou estabilidade em setembro na comparação com agosto. Com a queda do petróleo e a contaminação das praças europeias, Frankfurt passou a cair, com as ações da E.ON liderando as perdas, com recuo de 2,89%.

O CAC-40, de Paris, fechou na mínima, aos 4.387,18 pontos, queda de 1,19%. A AXA e a Vallourec representaram as maiores perdas, com quedas de 3,14% e 5,02%, respectivamente. Amanhã, os investidores se voltam ao dado de inflação da França.

Em Milão, o FTSE Mib também terminou o dia na mínima, aos 16.547,75 pontos, queda de 1,74%. O Ibex 35, de Madri, também chegou ao fim do pregão na menor cotação, aos 8.724,20 pontos e queda de 1,61%.

Já o PSI 20, de Lisboa, foi o único - junto com Frankfurt - que não encerrou os negócios na mínima, mas ainda assim fechou em queda de 1,62%, aos 4.557,20 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)