22°
Máx
16°
Min

Bolsas da Europa fecham nas máximas, na esteira de otimismo com a China

As principais bolsas da Europa encerraram o pregão desta quarta-feira, 13, em forte alta e nas máximas da sessão, impulsionadas por dados positivos do comércio exterior da China. O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou com ganho de 2,52%, em 343,06 pontos.

A China divulgou, na madrugada desta quarta, o resultado da balança comercial de março. No mês passado, as exportações subiram 11,5% na comparação com março de 2015, a primeira alta em nove meses e um avanço bem maior do que os 8,5% esperados por analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Do lado das importações, houve recuo de 7,6% na mesma comparação, ante previsão de queda de 10,4%.

Ainda tenha havido retração nas importações, os números desagregados mostram aumento da compra de petróleo, minério de ferro e cobre no mês e no trimestre. A maior demanda por matérias-primas pode sinalizar que a desaceleração chinesa não é tão intensa como muitos analistas ao redor do planeta temiam.

Desta forma, as ações de empresas altamente expostas à China tiveram grande avanço, especialmente nos setores de mineração, siderurgia e bancos. Com o otimismo generalizado e notícias corporativas animadoras, outros segmentos entraram na esteira da alta.

Em Londres, os papéis de mineradoras dispararam. As ações da BHP Billiton subiram 9,18%, Rio Tinto avançaram 7,60% e Anglo American saltaram 11,05%. Outro destaque de alta foi do Standard Chartered (10,64%), que um grande número de clientes na China. O índice de referência FTSE-100 terminou em alta de 1,93%, aos 6.329,89 pontos, passando a acumular ganhos pela primeira vez no ano.

Em Paris, as ações da siderúrgica ArcelorMittal saltaram 9,62%, na esteira do otimismo com mercados emergentes e depois de o banco Credit Suisse elevar a recomendação da companhia de neutra para "outperform" (desempenho acima da média do mercado). O índice CAC-40 fechou em alta de 3,32%, aos 4.490,31 pontos.

As ações do conglomerado alemão ThyssenKrupp foi beneficiado pela melhora da percepção do mercado em relação à ArcelorMittal e fecharam em alta de 6,07%. Ainda em Frankfurt, as ações bancárias foram beneficiadas pela alta recente do petróleo, que diminuíram os riscos de empréstimos concedidas a petroleiras - Deutsche Bank subiu 9,91% e Commerzbank ganhou 7,03%. O índice de referência DAX terminou na máxima em 10.026,10 pontos (+2,71%).

Em Milão, os investidores aproveitaram o otimismo externo para apostar novamente no setor bancário, penalizado com dúvidas em relação à capacidade de solvência. Os papéis do Intesa Sanpaolo avançaram 8,31% e do Monte dei Paschi di Siena saltaram 11,77%. O índice FTSE-MIB fechou em alta de 4,13%, aos 18.165,59 pontos.

A Bolsa de Madri fechou em alta de 3,21%, aos 8.820,70 pontos, e a de Lisboa ganhou 1,91%, encerrando em 5.005,92 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)