23°
Máx
12°
Min

Bolsas de NY fecham sem direção definida em dia de ajustes e Livro Bege

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam sem direção definida, nesta quarta-feira, em um dia de ajustes nos mercados internacionais após três dias seguidos de apetite pelo risco, mas os índices acionários tiveram apoio do Livro Bege, divulgado hoje pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

O índice Dow Jones fechou em alta de 24,45 pontos (+0,13%), aos 18.372,12 pontos; o S&P 500 ficou praticamente estável, com ganho de 0,29 ponto (+0,01%) e fechou aos 2.152,43 pontos; e o Nasdaq perdeu 17,09 pontos (-0,34%), encerrando aos 5.005,73 pontos.

O Livro Bege do Fed - documento que traz um panorama da economia dos EUA e serve de base para as decisões de política monetária - deu alguma sustentação à procura por risco, nesta sessão, ao afirmar que a expansão da atividade no país ainda não se mostra robusta e demonstrar alguma preocupação com os efeitos do Brexit. Ao traçar uma perspectiva ainda frágil para a economia norte-americana, o documento dá suporte aos que defendem o adiamento do aperto monetário no país.

Tanto o Dow Jones quanto o S&P 500 anotaram novas máximas históricas. Apesar do movimento, o melhor desempenho do dia foi de setores considerados defensivos, como concessionárias de serviços públicos e telecomunicações.

O setor de energia foi um dos que apresentaram o pior desempenho, como consequência da queda do preço dos contratos de petróleo.

O Departamento de Energia dos EUA (DoE) informou hoje que os estoques norte-americanos de petróleo bruto caíram 2,546 milhões de barris na semana encerrada em 8 de julho, para 521,804 milhões de barris. A queda foi ligeiramente menor que a previsão de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam recuo de 2,6 milhões de barris.

Entretanto, o recuo foi compensado por um aumento nos estoques de gasolina e destilados. O total de suprimentos comerciais de petróleo e seus produtos aumentou em 7,1 milhões de barris, para 1,38 bilhão de barris, um recorde nos dados semanais do DoE que remonta aos anos 1990.

O aumento da preocupação sobre os excedentes do petróleo acabou sendo projetado nas ações de petroleiras. A Chevron caiu 0,12% enquanto a Exxon Mobil via seus papéis caírem 0,07%. (Matheus Maderal, com informações da Dow Jones Newswires - matheus.maderal@estadao.com)