28°
Máx
17°
Min

Bolsas europeias sobem, beneficiadas por balanços e perspectiva de estímulos

Os principais índices acionários europeus interromperam três sessões de queda e fecharam em alta nesta quinta-feira, 25, influenciados por balanços positivos e perspectivas de que estímulos serão anunciados durante a reunião do G-20, o grupo das maiores economias do mundo.

Investidores ignoraram o novo recuo dos preços de petróleo em favor dos resultados trimestrais favoráveis como os da francesa Technip (+11,56%) e da espanhola Repsol (+2,73%), que anunciaram altas de, respectivamente, 27% e 25% nos lucros no período. O banco britânico Lloyds (+13,57%) também foi destaque após registrar um aumento de 5% no lucro subjacente em 2015, para 8,1 bilhões de libras.

Outro fator positivo é a expectativas de mais estímulos após o índice de preços ao consumidor (PI) da zona do euro avançar apenas 0,3% em janeiro na comparação anual, ante leitura preliminar de alta de 0,4%. O dado, aliado a declarações do Fundo Monetário Internacional (FMI) de que a recuperação da economia mundial teve enfraquecimento adicional, alimentou esperanças de que o G-20 anuncie esforços coordenados para dar apoio ao crescimento.

O mercado descartou ainda o fraco impulso que poderia ter vindo das praças asiáticas, onde a bolsa de Xangai caiu 6,4% em meio a preocupações sobre a liquidez no mercado. O banco central do país (PBoC) está aparentemente retirando parte do montante de recursos que injetou no sistema financeiro antes do feriado do ano-novo lunar chinês. Desde o começo da semana, o PBoC concedeu apenas 580 bilhões de yuans em acordos de recompra reversa (repos) de sete dias ao sistema bancário, embora haja 960 bilhões de yuans em contratos vencendo até amanhã.

"A dissociação da Ásia foi possível porque o PBoC não guiou a cotação do yuan para baixo, como nos últimos dias", disse Jasper Lawler, analista de mercado de CMC Markets.

Em Londres, o índice FTSE-100 encerrou em alta de 2,48%, aos 6.012,81 pontos, beneficiado também pela revisão do Produto Interno Bruto (PIB) britânico para 0,5% no quarto trimestre, ante expectativa inicial de 0,4%. Já em Paris, o CAC-40 fechou aos 4.248,45 pontos, alta de 2,24%.

Em Frankfurt, o índice DAX subiu 1,79%, aos 9.331,48 pontos, com destaque para a Fresenius Medical Care, que subiu 4,71% após um forte tombo ontem. Já em Milão, o FTSE-Mib ganhou 2,30%, aos 17.104,54 pontos, beneficiado por uma busca por pechinchas em ações do setor industrial. Fiat Chrisler e CNH Industrial estão entre os papéis de melhor desempenho, com avanço de, respectivamente, 4,17% e 4,67%.

Em Madri, o Ibex-35 encerrou aos 8.215,60 pontos (+2,52%), enquanto em Lisboa, o PSI-20 terminou aos 4.661,93 pontos (+1,55%).(Com informações da Dow Jones Newswires)