27°
Máx
13°
Min

Bovespa cede e perde os 53 mil pontos, penalizada pela Vale

A Bovespa fechou em queda de 1,35%, aos 52.907,88 pontos, nesta sexta-feira, 22. Com esse resultado, o desempenho na semana ficou negativo em -0,60%. No mês, o indicador mantém-se em alta (+5,70%), assim como no ano (+22,05%).

A maior contribuição para o resultado de hoje veio das ações da Vale, que lideraram o ranking das maiores baixas da carteira Ibovespa ao longo do dia, juntamente com a PN da Bradespar. A ON da mineradora recuou 11,17% e a PNA, -8,21%. A forte desvalorização aconteceu por conta de ajustes aos preços dos ADRs em Nova York (em queda ontem e hoje) e também pelo recuo de 4,7% do preço do minério de ferro no mercado à vista chinês hoje. As ações da Bradespar, acionista da mineradora, caíram 7,61%.

Já os papéis da Petrobras finalizaram a sessão entre as maiores altas (PN em +2,85% e ON em +4,54%), diante da valorização de 1,30% do petróleo do tipo Brent, na ICE em Londres, e de 1,43% do WTI na Nymex, em Nova York.

O giro financeiro hoje foi mais baixo que a média de abril por ser esta sexta-feira uma ponte entre o feriado nacional ontem e o fim de semana, na avaliação do analista da Clear Corretora, Raphael Figueredo. O volume negociado totalizou R$ 7,14 bilhões. Na média diária de abril, o giro está em R$ 8,732 bilhões.

Na avaliação do economista da Guide Investimentos, Ignácio Rey, essa sexta-feira teve um tom mais desfavorável para os ativos de risco no Brasil e no exterior, sendo que as bolsas começam a reagir a balanços corporativos bons e ruins. "A pressão negativa continuou nas bolsas. Na Europa, há uma preocupação com as montadoras (por causa do recall para consertar um software que gerencia emissão de poluentes)", disse.

O economista salienta a depreciação do iene em relação ao dólar "por conta da expectativa que o BoJ (banco central japonês) afrouxe mais uma vez a política monetária" como elemento que compõe esse cenário de aumento da aversão ao risco. Nesse contexto, Rey observa que o CDS de cinco anos do Brasil - que voltou a superar o nível dos 350 pontos - e de outros países - como México e Turquia - subiram nos últimos dias.