27°
Máx
13°
Min

Bovespa se recupera e sobe 0,41% com NY e petróleo

Depois de cair mais de 2,0% na segunda-feira, 22, a Bovespa passou por uma correção técnica nesta terça-feira (23) amparada pelos ganhos de suas pares em Nova York e pela recuperação dos preços do petróleo no mercado internacional.

Internamente, o avanço da Bolsa foi conduzido principalmente pelas ações da Petrobras. Em um dia de noticiário mais fraco, o mercado segue acompanhando os movimentos do governo e da equipe econômica em torno das medidas de ajuste fiscal.

Nesse sentido, causou certo desconforto uma declaração do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considerando que, se o projeto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto dos gastos não for aprovado pelo Legislativo neste ano, ficará para 2017.

A afirmação, no entanto, não chegou a ter impacto nos ativos da Bovespa, onde os agentes continuam na expectativa pelo julgamento do processo de impeachment de Dilma Rousseff, que tem início na quinta-feira, dia 25.

O Ibovespa terminou em alta de 0,41%, aos 58.020,30 pontos, recuperando parte das perdas de 2,23% da véspera. O índice à vista fechou distante da máxima do dia, quando chegou a marcar 58.596 pontos (+1,41%). O volume financeiro somou R$ 6,52 bilhões. No mês de agosto, a Bolsa tem valorização de 1,24%, e, no ano, ganho de 33,84%.

As ações da Petrobras chegaram ao fim do pregão em alta de 3,18% (ON) e 2,59% (PN), depois das perdas de quase 4,0% da véspera. A valorização dos papéis da estatal foi acentuada depois que os preços do petróleo passaram a subir, no fim da manhã, em meio a rumores sobre sinalizações positivas do Irã em relação a uma ação conjunta para dar suporte às cotações da commodity - o que pode acontecer na próxima reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), em setembro.

Já as ações da Vale acompanharam os fortes ganhos de outras mineradoras globais e terminaram em alta de 2,01% (ON) e 1,54% (PNA), depois de terem cedido mais de 3,0% na segunda-feira. No mercado chinês, o preço do minério subiu 0,8% e foi a US$ 61,6 a tonelada seca, de acordo com dados do "The Steel Index". As siderúrgicas também foram beneficias pelo movimento de correção dos ativos. Usiminas PNA avançou 2,77%.