26°
Máx
19°
Min

Bovespa segue exterior e abre em alta, mas petróleo volátil pesa

A Bovespa abriu em alta nesta sexta-feira, 5, seguindo o bom humor do exterior. O petróleo volátil, entretanto, pesa e levou o Ibovespa a exibir sinal negativo por alguns instantes. Após a divulgação do "payroll" (dado de emprego) de julho nos Estados Unidos, as bolsas na Europa e os índices de ações americanos futuros aumentaram a valorização, vista mais cedo ainda em reação aos estímulos do Banco da Inglaterra (BoE) na quinta-feira. Às 10h30, Dow Jones, S&P500 e Nasdaq abriram em alta.

O "payroll" melhor que o esperado materializa o melhor dos cenários. A maior economia do mundo está mais forte do que antes e deve permanecer com juros baixos por mais tempo. O motivo de o BC americano deixar a taxa baixa por mais tempo? A onda de estímulos governamentais de países desenvolvidos e de afrouxamento monetário no mundo todo.

O economista-chefe da ModalMais, Álvaro Bandeira, afirmou que, mesmo vindo mais forte que o previsto, o "payroll" não justifica um aumento de taxa de juros em breve por conta do atual cenário global monetário. "Tem o Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), o Japão com taxa de inflação muito baixa. Essa semana Austrália e Inglaterra reduziram a taxa de juros, sendo que o BoE sinalizou que vai injetar mais liquidez. Então, o "payroll" de hoje não altera o quadro para a política monetária nos Estados Unidos", disse Bandeira.

O diretor da corretora Mirae, Pablo Spyer, concorda. Segundo ele, investidores enxergam chances maiores de alta de juros a partir do segundo trimestre de 2017.

Às 10h58, o Ibovespa subia 0,01% aos 57.597,88 pontos. O indicador não tinha força para subir mais, porque as ações da Petrobras caíam em sintonia com o petróleo, que, depois de alternar altas e baixas, recuava em Londres e em Nova York.