22°
Máx
14°
Min

Bovespa sobe 1,06% com bom humor nos mercados interno e externo

A Bovespa refletiu nesta sexta-feira, 14, a melhora do humor do mercado internacional e boas notícias do cenário doméstico e fechou em alta de 1,06%, aos 61.767,21 pontos. O índice chegou a testar o patamar dos 62 mil pontos, mas não se sustentou. Ainda assim, terminou o dia registrando novo pico em 2016, com ganho acumulado de 1,08% na semana e de 42,49% no ano. O volume de negócios somou R$ 9,04 bilhões.

Um dado de inflação na China, que reduziu temores de desaceleração da segunda maior economia do mundo, foi o principal destaque do noticiário internacional. Se na véspera os mercados reagiram negativamente a dados fracos da balança comercial chinesa, nesta sexta os investidores mostraram alívio com o índice de preços ao consumidor no país, que subiu 1,9% em setembro, ante expectativa de 1,7%. O dado teve efeito nas bolsas europeias, norte-americanas e também na Bovespa, que operou em alta firme desde a abertura.

No Brasil, o anúncio da nova política de preços da Petrobras impulsionou as ações da empresa e animou o mercado de maneira geral, por indicar maior profissionalismo e menor influência governamental na gestão da estatal. Apesar de os analistas ainda terem dúvidas quanto a alguns aspectos das mudanças, prevaleceu a percepção positiva com a adequação de preços praticados no Brasil aos do exterior.

Essa visão prevaleceu inclusive frente ao desconto de 3,2% no valor da gasolina e de 2,7% no diesel, que deve ser compensado por outros fatores, segundo as primeiras análises. Com isso, as ações da Petrobras subiram 2,29% (ON) e 3,17% (PN). Braskem PN, controlada pela estatal, subiu 3,73% e foi a maior alta do Ibovespa.

De volta ao cenário internacional, a melhora da avaliação com a economia chinesa impulsionou também as ações ligadas a commodities. Vale ON e PNA subiram 1,52% e 1,85%, favorecendo ainda papéis ordinários da CSN (+3,44%), que tiveram a segunda maior alta do Ibovespa.

A fala da presidente do Federal Reserve (o banco central norte-americano), Janet Yellen teve pouca influência sobre os negócios com ações no Brasil. No entanto, o bom desempenho do setor financeiro nos Estados Unidos, embalado por balanços positivos, ajudou a alavancar ações de bancos por aqui. Banco do Brasil subiu 2,61% e Itaú Unibanco PN avançou 1,90%.