23°
Máx
12°
Min

Brexit criou obstáculos para economia da zona do euro e mais incertezas, diz BCE

Os dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) advertiram em sua reunião de julho que a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia, o chamado "Brexit", pode afetar a economia mundial de maneiras imprevisíveis, mas decidiram que era prematuro discutir qualquer nova medida de estímulo. As informações estão na ata da reunião de 21 de julho, divulgada nesta quinta-feira, que mostra também que os dirigentes mostraram preocupação com o setor bancário europeu, que eles temem que possa atrapalhar o esforço para reduzir os custos de empréstimo pela região.

O BCE manteve sua política em julho e o presidente do BCE não sinalizou que a entidade fortalecerá seus estímulos em breve. O BCE já cortou as taxas de juros para níveis abaixo de zero e compra 80 bilhões de euros (US$ 90,18 bilhões) ao mês em grande medida em bônus de governos da zona do euro, em um esforço para apoiar a economia. Ainda assim, a inflação está perto de zero e o panorama econômico é incerto, o que leva a maioria dos economistas a esperar que o BCE prorrogue suas compras de bônus em pelo menos seis meses.

Os dirigentes do banco central reconheceram "novos ventos contrários" para a recuperação econômica do bloco, após o voto pelo "Brexit". Eles ressaltaram que estão prontos a dar novos estímulos, caso seja necessário. Segundo os dirigentes, porém, foi avaliado que "era prematuro discutir qualquer reação monetária possível nesse estágio", mostrou a ata. "Mais tempo era necessário para avaliar as informações por vir nos próximos meses, ainda que os riscos de baixa claramente tenham aumentado."

Na avaliação dos dirigentes, o BCE viu um impacto "contido" nos mercados do voto pelo Brexit no Reino Unido. Por outro lado, destacaram que a saída do país da UE pode afetar a economia global de maneiras "impossíveis de prever" e criou novos obstáculos para a economia da zona do euro, ampliando incertezas.

Os dirigentes apontaram para "riscos de transmissão baseados nos bancos", que tinham implicações para o custo dos empréstimos e a disponibilidade do crédito. As ações dos bancos europeus caíram fortemente após o voto no Reino Unido, mantendo-se em tendência negativa. A queda ocorre em parte pelo impacto das taxas de juros baixos do BCE sobre a lucratividade dos bancos, disseram os dirigentes. Fonte: Dow Jones Newswires.