28°
Máx
17°
Min

Bullard, do Fed, vê alta gradual de juros, mas não descarta aumento em junho

O presidente do Federal Reserve de Saint Louis, James Bullard, afirmou nesta quinta-feira que vê mais fatores a favor de um aumento gradual das taxas de juros dos Estados Unidos, embora a próxima reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), em junho, ainda esteja em aberto. A decisão sobre os juros "deveria ser mais dependente de dados do que de calendário", afirmou Bullard, em entrevista a jornalistas e analistas durante fórum de instituições monetárias e financeiras em Cingapura. É "contraproducente fazer previsões sobre a alta de juros", disse ele.

Bullard contrastou com a perspectiva do mercado, que prevê alta de dois aumentos de 0,25 ponto porcentual de juros em 2016, com a perspectiva de um ritmo mais lento de altas nos próximos anos. Ele citou três fatores - mercado de trabalho dos EUA relativamente forte, inflação se aproximando da meta de 2% e melhora no cenário internacional - que permitiriam ao Fed aumentar juros gradualmente nos próximos anos. Bullard apontou também outros dois fatores que favoreceriam a visão do mercado de que o Fed deve manter as taxas estáveis, incluindo o crescimento do PIB "abaixo da tendência" e expectativa de inflação ainda baixa.

Os comentários do dirigente foram quase idênticos ao discurso feito por ele na segunda-feira, em Pequim. A fala acontece poucos dias após vários sinais de que os dirigentes do Fed aumentar os juros no verão, possivelmente já na reunião que acontece nos dias 14 e 15 de junho. Na semana passada, os investidores viam possibilidade quase nula de que o banco central elevasse as taxas tão cedo. No entanto, uma série de indicadores positivos, os comentários dos dirigentes e a divulgação da ata da reunião de abril aumentaram as chances de elevação de juros.

Bullard disse que os mercados estão considerando o resultado das reuniões de junho e julho com mais precisão. Algumas vezes, ele reflete o consenso dentro do Fed, mas frequentemente difere da visão geral. Ainda assim, os participantes do mercado atentam para comentários, porque ele é membro votante do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc).

Segundo ele, manter as taxas de juros baixas por muito tempo poderia alimentar uma bolha de preços nos ativos dos EUA. Ele citou os preços de habitações em algumas cidades acima do seu pico anterior e os valores de imóveis comerciais como exemplo. "No geral, minha visão sobre o risco de bolha no mercado financeiro nos Estados Unidos hoje é apenas moderado. Mas a preocupação seria que no futuro, com as taxas baixas, isso poderia ficar se agravar. É algo que temos que pesar na decisão de junho", afirmou.

Bullard disse, ainda, que as taxas de juros externas "precificaram" as divergências entre o Fed e outros bancos centrais na Europa e no Japão quanto à direção da política monetária. Surpreenderia, contudo, a forma mais rápida ou antecipação da alta de juros pelos EUA, ou se o Banco Central Europeu ou o Banco do Japão não forem tão agressivos como se pensava anteriormente, disse Bullard. Fonte: Dow Jones Newswires.