21°
Máx
17°
Min

Câmbio para fim de 2016 cai de R$ 3,39 para R$ 3,34, diz Focus

Mesmo com as sucessivas intervenções do Banco Central (BC) no mercado de câmbio por meio de leilões de swap cambial reverso - que, na prática, evitam uma queda maior do dólar -, o Relatório de Mercado Focus voltou a mostrar queda das estimativas para o câmbio deste ano. O documento divulgado nesta segunda-feira, 25, pelo BC indicou que a cotação da moeda estará em R$ 3,34 no encerramento de 2016, ante projeção de R$ 3,39 do levantamento anterior. Um mês atrás, estava em R$ 3,60. Apesar disso, o câmbio médio de 2016 continuou em R$ 3,47 de uma semana para a outra - um mês antes, estava em R$ 3,61.

Para 2017, a mediana seguiu em R$ 3,50 de uma divulgação para a outra - quatro semanas atrás estava em R$ 3,80. Já o câmbio médio do ano que vem seguiu em R$ 3,46 de um levantamento para o outro - estava em R$ 3,74 um mês atrás.

Balança

As projeções do mercado financeiro para a balança comercial brasileira mostraram melhora no Relatório de Mercado Focus. A estimativa de superávit para este ano passou de US$ 50,52 bilhões para US$ 51,10 bilhões - um mês atrás estava em US$ 50,76 bilhões. Pela mais recente estimativa do BC, o saldo positivo de 2016 ficará em US$ 50 bilhões. Para 2017, as estimativas no Focus avançaram de US$ 49,94 bilhões para US$ 50,00 bilhões de uma semana para a outra. Há um mês, a mediana estava nos mesmos US$ 50,00 bilhões.

No caso da conta corrente, as previsões para 2016 continuam com um déficit de US$ 15,00 bilhões, pela quinta edição consecutiva. O montante de US$ 15 bilhões de déficit também foi a nova previsão do BC, que contava antes com um rombo de US$ 25 bilhões. Já para 2017, a perspectiva do mercado financeiro de déficit voltou a mudar de forma significativa, passando de US$ 19,95 bilhões para um rombo de US$ 14,91 bilhões de uma semana para outra. Quatro semanas atrás, a perspectiva era de déficit menor, de US$ 12,00 bilhões.

Para esses analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será bem mais do que suficiente para cobrir esse resultado deficitário nos dois anos. A mediana das previsões para esse indicador em 2016 se manteve em US$ 63,50 bilhões de uma semana para a outra - estava em US$ 60,50 bilhões um mês antes. Para 2017, a perspectiva de volume de entradas permaneceu em US$ 65 bilhões. Nas revisões promovidas pelo BC, a perspectiva é de ingresso de US$ 70 bilhões de IDP no País este ano - a estimativa anterior era de US$ 60 bilhões.