23°
Máx
12°
Min

Centro-Oeste e Norte têm mais shoppings vazios

Os shoppings novos das regiões Norte e Centro-Oeste são os que têm os maiores índices de lojas vazias. Enquanto, no País, a ociosidade dos empreendimentos inaugurados entre 2013 e 2015 está em 45%, nos shoppings do Norte esse porcentual é de 56% e, no Centro-Oeste, de 53%, revela o estudo do Ibope Inteligência. Inaugurado em agosto de 2013, o Shopping Bosque dos Ipês, em Campo Grande (MS) tem 59 lojas fechadas e outros pontos de venda devem encerrar as atividades nos próximos meses. Só na última semana, três lojas encerraram as atividades: uma esmalteria e duas lojas de roupa, segundo lojistas ouvidos pelo Estado.

Com capacidade para 167 estabelecimentos, o shopping pretendia atrair o público principalmente por meio de grandes marcas, mas a crise não facilitou o processo. Até mesmo a praça de alimentação, que deveria ser um chamariz, vem perdendo unidades.

Um restaurante tailandês, que chamou atenção nos primeiros meses de inauguração, já não existe mais e o local está vago. Em fevereiro, um restaurante japonês também deixou de funcionar. Na praça de alimentação, que comporta 20 unidades, há pelo menos cinco fechadas.

No restante do shopping, a situação não é tão diferente. Basta percorrer os corredores para perceber que há poucos clientes e muitas lojas vagas. Até mesmo as âncoras - lojas maiores que costumam atrair mais movimento - deixaram o local, como a rede Walmart. Desde o final de 2015, quando o hipermercado fechou, o espaço continua vago. A marca Luigi Bertolli, em recuperação judicial, também saiu.

Entre lojistas, a sensação é de que mais lojas devem encerrar as atividades. "A crise atrapalhou e o movimento já está caindo bastante", disse a comerciante Jaqueline Spuri, que trabalha com artesanato. "No mês passado, não vendemos o suficiente nem para pagar a conta de luz."

Região Norte

Em Manaus, o shopping Vianorte, inaugurado em 2014, enfrenta o mesmo problema. Mais distante das principais áreas de fluxo e comércio entre os shoppings da cidade, o empreendimento impressiona pelo grande número de lojas fechadas. No ano passado, a Associação Comercial do Amazonas divulgou o número de unidades vagas em três centros comerciais da cidade. Na época, o Vianorte tinha 69 lojas desocupadas. Localizado na periferia da cidade, ele chamou atenção na inauguração pela sua infraestrutura, mas isso não foi suficiente para atrair consumidores.

Procuradas, as administrações dos shoppings Vianorte e Bosque dos Ipês não retornaram os pedidos de entrevista do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.