20°
Máx
14°
Min

CNI reve projeção para o PIB em 2016 de -3,1% para -3,5%

Com o aprofundamento da recessão e uma nova meta de déficit fiscal do governo de R$ 170,5 bilhões neste ano, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) ficou mais pessimista com a economia brasileira e piorou praticamente todas as suas projeções para 2016. Segundo o Informe Conjuntural divulgado nesta quinta-feira, 8, pela entidade, a perspectiva do Produto Interno Bruto (PIB) para 2016 passou de uma recessão de 3,1% no documento apresentado em abril para uma queda agora prevista em 3,5%. A pesquisa é divulgada trimestralmente.

Para o consumo das famílias, a previsão também piorou, passando de queda de 4,4% para uma retração de 4,8%. O PIB Industrial também deve encolher mais que o esperado anteriormente: a projeção passou de -5,0% para -5,4%.

A formação bruta de capital fixo (FBCF), que mostra os investimentos produtivos do País na composição do PIB, deve se retrair 13,9% em 2016. A expectativa anterior era melhor, mas ainda assim negativa, com uma queda de 13,5%. Já a taxa de desocupados deve ficar em 11,5% da população economicamente ativa, mesma estimativa da última divulgação.

Diante desse quadro, a expectativa da CNI é que a economia deverá voltar a crescer somente em 2017. "A mudança no quadro político possibilitou uma conjugação favorável a ajustes estruturais que exigem mudanças legislativas e constitucionais, como é o caso da reforma da Previdência e da imposição de limitadores ao crescimento do gasto público. A proposta no âmbito federal, já enviada ao Congresso, é um avanço. Mas seus efeitos serão sentidos apenas no médio prazo, pois dependem da retomada do crescimento e ainda serão necessárias novas alterações no processo orçamentário para que se torne efetiva", destaca o Informe Conjuntural.

Inflação

A CNI também está mais pessimista com a inflação. A entidade espera um Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 7,3% ao fim de 2016. O dado divulgado em abril projetava uma estimativa de 7,1% e já estava acima do teto de meta de 4,5%, que neste ano tem uma tolerância de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo.

Apesar da espera de uma piora do custo de vida neste ano, a entidade acredita que o Banco Central vai baixar os juros básicos até o fim do ano. A taxa está atualmente em 14,25% ao ano (a.a.) e a expectativa da CNI para a Selic ao fim de dezembro continua em 13,75% a.a. A Selic média esperada pela entidade em 2016 se manteve em 14,18%.

Com uma estimativa maior de inflação, a CNI espera um número mais elevado para a taxa real de juros do País, passando de 5,2% ao ano para 6,4% ao ano.

Fiscal

Quanto às contas públicas, a CNI também está mais pessimista para 2016. Segundo o documento, pioraram as previsões para o primário anual, passando de déficit primário de 1,73% do PIB para déficit primário de 2,62% do PIB, já incorporando a nova meta de déficit fiscal do governo Michel Temer para este ano. Já a perspectiva para a dívida líquida passou de 72,9% do PIB para 73,4%. A entidade também informou que espera um déficit nominal de 10,30% do PIB frente à previsão anterior, de 9,80%.

Setor Externo

A CNI espera ainda que o dólar esteja em R$ 3,30 em dezembro, ante a previsão anterior de R$ 4,00. Para o câmbio médio do ano a previsão passou de R$ 3,80 para R$ 3,48.

No caso da balança comercial, a entidade espera um saldo de US$ 42,0 bilhões em 2016, mesmo valor do último documento. O dado será fruto de US$ 192 bilhões em exportações e de US$ 150 bilhões em importações.

Por fim, o documento mudou sua perspectiva para a conta corrente, de um déficit de US$ 20,0 bilhões para um superávit de US$ 1 bilhão.