22°
Máx
14°
Min

Com cautela externa e incerteza fiscal, Bovespa testa romper nível de pontos

O Ibovespa abriu em queda, em linha com o comportamento dos mercados de ações no exterior. No início de sessão desta quarta-feira, 3, o indicador testa o patamar dos 56 mil pontos. Na mínima, marcou 55.787,99 pontos. Na avaliação de um operador de renda variável, a trajetória negativa é consequência mais da desconfiança dos agentes econômicos sobre o governo Michel Temer do que da cautela externa.

"A validade daquele cheque em branco que o mercado deu para o governo Temer se ajustar e apresentar novas propostas está acabando", diz o profissional. "E as melhoras que estamos colhendo agora são resultados de medidas tomadas pelo (ex-ministro da Fazenda Joaquim) Levy lá atrás", diz. "O (ministro da Fazenda, Henrique) Meirelles fala, fala, fala, mas a coisa não anda", afirma.

O economista da Leme Investimentos, João Pedro Brugger, observa que a pressão negativa vinda do que chama "desconforto fiscal" é contrabalançada pela alta do petróleo e das ações da Petrobras. Na terça, antes do fim do pregão, a estatal informou que a Justiça dos Estados Unidos suspendeu por tempo indeterminado o julgamento da ação coletiva contra a empresa, movida pelos acionistas em função dos prejuízos provocados pela corrupção revelada na Operação Lava Jato.

A decisão suspende também outras 27 ações individuais movidas por investidores contra a petroleira. Somente a ação coletiva, que tramita desde 2014, requer ressarcimento de até US$ 10 bilhões da estatal.

Às 10h27, o Ibovespa caía 0,13% aos 56.086,83 pontos. A ON da Petrobras subia 0,62%. O contrato de petróleo WTI para setembro avançava 0,46% aos US$ 39,73/barril. Perto do horário acima, a PNA da Suzano subia 1,52%, a maior variação do índice. Nesta quarta, a empresa de papel e celulose anunciou resultado do segundo trimestre de 2016. A companhia obteve lucro líquido de R$ 954 milhões, o que representa um crescimento de 109,5% na comparação com o mesmo período do ano passado, mas queda de 15,1% ante os três primeiros meses de 2016.