24°
Máx
17°
Min

Comissão da Câmara aprova projeto para proibir Waze

(Foto: Divulgação) - Comissão da Câmara aprova projeto para proibir Waze
(Foto: Divulgação)

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira, 30, um projeto que pode atrapalhar o futuro do aplicativo de navegação em mapas Waze no Brasil: de autoria do deputado Major Fábio (PROS-PB) o projeto de lei nº 5596, de 2013, pretende proibir o uso de aplicativos e redes sociais que alertem motoristas sobre a ocorrência de blitze no trânsito.

O texto pretende alterar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), instituindo como infração o ato de conduzir veículo com dispositivo, aplicativo ou funcionalidade que identifique radares ou blitze pelo caminho. Procurado pelo jornal O Estado de S. Paulo, o Waze não comentou o assunto.

Além disso, o projeto de lei se apoia no Marco Civil da Internet para propor que redes sociais, como Facebook e Twitter, sejam obrigadas a retirar do ar postagens de usuários com alertas sobre esse tipo de ação da polícia em todo o Brasil, mediante ordem judicial. Em caso de descumprimento, as empresas que mantêm esses serviços e seus usuários teriam de pagar multa de R$ 50 mil.

A partir da aprovação na comissão de tecnologia, o projeto segue para a Comissão de Viação e Transportes (CVT) e para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Incompleto. Para Francisco Brito Cruz, diretor do instituto de pesquisa de direito digital Internet Lab, a aprovação do projeto na Comissão foi uma surpresa. "Nenhum dos dados apresentados na audiência pública foi levado em conta no projeto de lei", disse o pesquisador, que participou do debate sobre a proposta.

Para ele, "a preocupação com as blitz não será resolvida com bloqueio do Waze", e a proibição desse tipo de aplicativo pode causar "prejuízos à inovação", além de impedir que as pessoas usem o Waze quando precisam pedir ajuda às autoridades policiais. O especialista criticou ainda a forma como o debate sobre o assunto foi conduzido. Ele acredita que houve pouca participação do relator do projeto, Major Fábio.

O projeto também desagradou a ativistas, que usaram as redes sociais para opinar sobre o tema: no Twitter, o chefe executivo de pesquisas do Instituto Beta - Instituto e Democracia, Paulo Rená, disse que "o PL tem redação incoerente e confusa, e ainda contradiz dispositivos claros do Marco Civil da Internet". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.