22°
Máx
17°
Min

Consumo e geração de energia caem 1,6% em maio

Dados preliminares apontam que o consumo e a geração de energia recuaram 1,6% no País no mês de maio, na comparação com o mesmo período de 2015, informou nesta quinta-feira, 2, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). "Excluindo o impacto do feriado de Corpus Christi, a redução seria de 1%", destaca a entidade.

Em seu mais recente boletim InfoMercado Semanal, a CCEE revela que o desempenho da geração indica a entrega de 59.844 MW médios de energia ao Sistema Interligado Nacional (SIN) entre os dias 1º e 31 do mês passado. A principal queda de produção foi das térmicas, de 31,1%, devido ao desligamento das usinas de custo mais elevado. Por outro lado, houve aumento de 51% na produção das usinas eólicas. As usinas hidráulicas, incluindo as Pequenas Centrais Hidrelétricas, registraram incremento de 7,4% na produção de energia, o que levou a um salto de 6,3 pontos porcentuais na representatividade da fonte, para 75,6% de toda energia produzida no País.

O consumo de energia, por sua vez, somou 57.516 MW médios. No mercado cativo, no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras, houve retração de 2,8% no consumo, enquanto no ambiente de contratação livre (ACL), no qual consumidores compram energia diretamente dos fornecedores, foi registrado aumento de 1,9%.

Dentro do ACL, a CCEE destacou que os autoprodutores tiveram diminuição de 6,2%, enquanto os consumidores livres apresentaram expansão de 1,5% devido à migração de novas cargas.

Desconsiderando a adesão de novos consumidores ao mercado livre, o segmento registraria uma redução de 1,4%. Os consumidores especiais, que podem atuar no mercado livre desde que adquiram energia de fontes incentivadas (eólica, solar, biomassa), tiveram aumento de 17,7%, também influenciados pela migração de novas cargas. Expurgando este efeito, observa-se uma redução de 8,3%.

A entidade também informou o desempenho de consumo dos principais ramos da indústria, incluindo dados de autoprodutores, consumidores livres e especiais. Neste caso, destaque para os setores de comércio (+19,8%), madeira, papel e celulose (+15,9%), bebidas (+13,4%), e alimentício (+13%), que registraram os maiores índices de expansão. Na outra ponta, os setores com queda foram os de extração de minerais metálicos (-19,4%), de veículos (-4,8%) e químico (-0,3%).