21°
Máx
17°
Min

Demanda por voos da Gol cai 11,2% no 2º trimestre

A Gol divulgou nesta segunda, 18, os dados operacionais prévios relativos ao segundo trimestre de 2016, quando seu sistema total registrou queda na demanda e na oferta em relação ao mesmo período do ano passado.

No que diz respeito à oferta, a queda no indicador de assentos-quilômetro oferecido (ASK, na sigla em inglês) entre abril e junho deste ano foi de 9,3% na base anual. Já o indicador de passageiro por quilômetros transportados (RPK, na sigla em inglês), que mede a demanda pelos voos da companhia, caiu 11,2% na mesma base de comparação. Desta maneira, a taxa de ocupação no trimestre ficou em 75,2%, uma queda de 1,6 ponto porcentual (p.p.) em relação ao mesmo intervalo do ano passado.

Considerando apenas o mercado doméstico, a Gol registrou uma queda de 8,9% na oferta e de 11,2% na demanda por voos no segundo trimestre deste ano - a taxa de ocupação doméstica entre abril e junho de 2016 recuou 2 p.p. na base anual, para 76%.

No mercado internacional, a oferta recuou 12,2% e a demanda caiu 10,6% no trimestre, fazendo com que a taxa de ocupação aumentasse de 68,2% para 69,3%, uma alta de 1,2 p.p. entre os períodos.

Junho

Considerando somente os resultados do mês de junho, o sistema total da Gol registrou queda de 5,9% na oferta e de 7,1% na demanda em relação ao mesmo mês de 2015. Desta maneira, a taxa de ocupação no mês passado no sistema total ficou em 74,9%, queda de 1 p.p. na base anual.

O sistema doméstico, por sua vez, registrou recuos de 5,2% e de 6,6% na oferta e na demanda, respectivamente, fazendo com que a taxa de ocupação diminuísse 1,1 p.p. em junho, para 76,1%. No sistema internacional no mês passado, a Gol contabilizou uma retração de 10,9% na oferta e de 11,6% na demanda, fazendo com que a taxa de ocupação recuasse 0,6 p.p. no mês, para 66,3%.

Semestre

A Gol também divulgou os resultados operacionais prévios do consolidado do primeiro semestre do ano. No sistema total, a redução na oferta chegou a 7,5%, enquanto a queda na demanda totalizou 8,8%, gerando uma retração de 1 p.p. na taxa de ocupação do semestre, que ficou em 76,4%.

No sistema doméstico, a Gol registrou recuos de 6,3% na oferta e de 8,4% na demanda, o que fez com que a taxa de ocupação tivesse queda de 1,7 p.p., para 76,7%. Considerando apenas o sistema internacional, a redução na oferta acumulada nos primeiros seis meses do ano chegou a 15,6%, enquanto a demanda teve queda de 11,4% - a taxa de ocupação, assim, teve alta de 3,5 p.p.